Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, março 03, 2006

Da Chácara do Céu à internet

Rio- 03/03/06 - Quadro de Matisse roubado de museu de Santa Teresa foi posto à venda em site russo pelo lance mínimo de US$ 13 milhões
por Duilo Victor

O quadro O Jardim de Luxemburgo, de Henri Matisse, roubado sexta-feira no Museu Chácara do Céu, em Santa Teresa, foi colocado à venda em um site russo de leilões virtuais por um lance mínimo de US$ 13 milhões. A oferta ficou no ar por apenas quatro horas, no início da tarde de ontem, mas foi suficiente para a Polícia Federal (PF) solicitar oficialmente a ação da Interpol para investigar o roubo.
À tarde, uma denúncia anônima levou as polícias Civil e Federal a um terreno baldio no Morro dos Prazeres, próximo ao museu, onde foram encontrados restos de molduras queimadas. Pelo menos uma das peças, de acordo com a diretora do Chácara do Céu, Vera de Alencar, era a que guardava o quadro A Dança, de Pablo Picasso, também levado no assalto. Vera suspeita ainda que outros restos de moldura eram de Os Dois Balcões, de Salvador Dalí.
- Uma numeração gravada na moldura do quadro pôde identificar que a peça pertencia ao quadro de Picasso. Faço um apelo para que continuem dando pistas sobre o paradeiro das obras - disse Vera, que chorou ao ver as molduras queimadas.
De acordo com a assessoria de imprensa do museu, nenhuma obra de arte exposta como patrimônio histórico e artístico fica assegurada. Segundo o museu, este é um procedimento usado em todo o mundo.
As telas, assim como uma coleção de gravuras de Picasso, ainda estão desaparecidas e a polícia suspeita que as obras de arte estejam no Rio. O delegado Deuler Rocha, da delegacia de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico e Artístico da PF, informou que metade do efetivo da Polícia Federal do Rio está investigando o caso.
- Os indícios são de que o roubo esteja ligado a uma quadrilha internacional. Mas a ponta do esquema, que envolve os quatro assaltantes, não era tão gabaritada. Pareceu um roubo de mercearia. Levaram até objetos pessoais de visitantes - avaliou o delegado.
Fitas de vídeo do sistema de câmeras do museu passarão por perícia, assim como os restos queimados das molduras. Ontem foi feita a reconstituição do crime no Museu Chácara do Ceú. De acordo com testemunhas ouvidas pela PF, o quadro de Picasso foi danificado na fuga.
O diretor do Departamento de Museus do Iphan, José Nascimento Júnior, afirmou que o assalto de sexta-feira representa um novo patamar de crimes contra o patrimônio cultural. Ele disse que todos os museus administrados pelo Ministério da Cultura irão aperfeiçoar os esquemas de segurança com ajuda técnica da Polícia Federal.
- Este roubo mostra que o Brasil entrou na rota internacional do tráfico de obras de arte. Investimos no ano passado mais de R$ 95 milhões nos museus, boa parte em segurança, mas vamos reforçar o esquema - informou o diretor, sem adiantar como será modificada a segurança do Chácara do Ceú.
Publicado no Jornal do Brasil - Rio - http://jbonline.terra.com.br/

E ainda no JB de 03/03/06

CPI para apurar roubos

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB-BA), integrante da Comissão de Educação e Cultura da Câmara, acompanhou ontem a investigação policial em Santa Teresa. Ela quer recolher mais informações que justifiquem a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o tráfico de obras de arte no país.
- O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional está repleto de queixas sobre mais de 900 obras de arte de valor incalculável levadas de museus e igrejas de todo o Brasil. Até ataques a túmulos indígenas no Norte do país são feitos repetidas vezes - contou a deputada, que já reuniu mais de 200 assinaturas de parlamentares para a abertura da CPI. De acordo com Alice, o pedido para a abertura da comissão está parado na Mesa Diretora da Câmara.
Para que todos os museus do Brasil sejam cadastrados e façam um inventário único de todo o patrimônio artístico e cultural, o Ministério da Cultura deve criar ainda este ano o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Este órgão será independente do Iphan e vai promover intercâmbio entre museus, inclusive os não-federais e cursos de museologia. (D.V)

Nenhum comentário: