Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, dezembro 27, 2007

GATOS DO BOSQUE E VIOLÊNCIA POLICIAL

Hoje o jornal O POPULAR noticiou que os gatos do Bosque dos Buritis serão encaminhados ao Centro de Zoonoses.

Durante a tarde de hoje a bióloga Marize Moreira, gerente de Proteção e Manejo da Fauna Silvestre da Amma resolveu retirar os gatos do bosque na marra e para isso acionou duas viaturas da Polícia Militar de Goiás.

Apoiada no Ofício Nº 268/2007- 15ªPJ que RECOMENDA ..." que promova a imediata retirada de todos os gatos que encontram no interior da unidade de conservação do Bosque dos Buritis e promova a sua remoção para o Centro de Controle de Zoonoses desse município para que sejam disponibilizados para adoção."
RECOMENDA, "outrossim, ...inicie imediatamente um projeto de educação ambiental acerca de posse responsável de animais domésticos e adote outras medidas a fim de coibir o abandono de animais domésticos na unidade de conservação".

Interessante, o MP RECOMENDA e sem ordem expressa do presidente da Agência Municipal do Meio Ambiente, a biologa responsável acionou duas viaturas para coibir as manifestações de protestos contra a captura dos animais.

Seis policiais militares partiram para cima das pessoas presentes, mulheres em sua maioria, sendo uma delas atacada brutalmente. O tenente que comandou a operação manteve a sua identificação funcional durante toda a operação, oculta por um coleta a prova de balas. E além deles, da brutalidade e bestialidade com que agiram, nenhum do presentes portava armas.

Situação absurda e medieval. De que serve ao Prefeito Iris investir em propaganda para melhorar sua imagem, quando algo tão simples de ser solucionado, termina em pancadaria e bestialidade, graças ao autoritarismo de uma servidora pública que se apressou em providenciar o EXTERMINIO SUMÁRIO dos animais, esquecendo-se porém de apresentar o projeto de educação ambiental, que viria quem sabe representar a ÚNICA ação do poder público para resolver um problema grave em Goiânia: o abandono de animais.

Os coronéis hoje usam saia. E os PMs-GO se portaram de uma forma que envergonhou toda a corporação: espancaram mulheres e pior, com evidente prazer.

A história terminou no 1ºDP no Centro, com denúncia na Corregedoria da PM e na Delegacia da Mulher.

E amanhã prossegue na Corregedoria do MP.

Essa é a Goiânia de hoje, por fora bela viola por dentro pão bolorento. E muito asfalto e obras monumentais. Será já a campanha de 2010?

Que Deus nos proteja!


"Gatos do parque serão capturados
Retirada de 60 felinos, entre adultos e filhotes, será feita atendendo a recomendação do Ministério Público, que argumentou questão de saúde pública
Por Carla Borges
O Departamento de Controle de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e a Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) vão fazer a retirada de cerca de 60 gatos , que vivem no Bosque dos Buritis, na divisa dos Setores Oeste e Central, que está fechado para reforma desde meados de julho deste ano. A remoção dos animais, que está sendo planejada e deve acontecer a partir de segunda-feira, atende a recomendação da promotora de justiça Marta Moriya Loyola, em substituição no Núcleo de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público (MP) estadual. Ela pediu urgência na retirada dos felinos do parque, principalmente diante das mortes de macacos associadas à febre amarela. No Bosque dos Buritis, os gatos atacam, matam e comem macacos e micos.“É uma questão de saúde pública, principalmente diante dessa ameaça de febre amarela. As mortes de macacos são o alerta, mas aqui no Bosque dos Buritis esse controle está prejudicado”, explica a bióloga Marize Moreira, gerente de Proteção e Manejo da Fauna Silvestre da Amma. O diretor do Departamento de Zoonoses, Geraldo Edson Rosa, destaca que os animais serão colocados para adoção e ficarão aguardando interessados. “Se alguns não forem adotados, pediremos orientação do MP sobre o que fazer com eles, mas a retirada daqui será feita de imediato”, garantiu o diretor ao POPULAR.
Nativo
O presidente da Amma, Clarismino Luiz Pereira Júnior, lembra que o parque tem de ser utilizado para a biodiversidade nativa. “Aqui não é lugar de animais domésticos”, observa. Apesar de serem alimentados por pessoas que freqüentam o parque – funcionários contam de uma idosa que gasta cerca de 600 reais em rações –, os gatos não são propriamente domésticos. É o que indica o relatório de vistoria técnica da Amma, um dos documentos que serviram de base para a recomendação da promotora Marta Moriya. Segundo os técnicos, “a maioria dos indivíduos apresenta estado semi-selvagem, impossibilitando qualquer atividade de controle sanitário, como vacinação e vermifugação, apresentando risco de transmissão de doenças para a população visitante do parque”.A promotora lembra ainda “o incansável esforço da Sociedade Protetora dos Animais”, que tentou controlar a proliferação dos felinos no Bosque dos Buritis, com cadastramento e vacinação, que “restou infrutífero”, já que no início havia cerca de 35 animais e a última contagem da Amma revelou que eles são pelo menos 60. Segundo os técnicos, os gatos também estão desnutridos e com lesões características de sarna. Além disso, os vasilhames usados pelos visitantes para servir comida são fonte de nutrientes para insetos responsáveis pela veiculação de parasitas, na forma de vermes e protozoários, e de bactérias, como Ancilostoma, Toxoplasma gondii e Salmonella, respectivamente responsáveis por enfermidades zoonóticas como o bicho-geográfico, toxoplasmose e gastroenterites. Geraldo Edson Rosa explica que será necessário um planejamento antes da retirada dos gatos por se tratar de uma caso incomum."
Fonte: http://goiasnet.globo.com/diversidade/com_report.php?IDP=21383

PASMEM
A propósito da matéria não ficou claro a forma de transmissão da FEBRE AMARELA pelos felinos do bosque. É possível isso?
Nos últimos anos a luta pela sobrevivência dos gatos do Bosque dos Buritis chama atenção, voluntários empenham-se na compra de ração, vacinação e principalmente na castração dos animais, enquanto isso o poder público, neste caso a AMMA e o Centro de Zoonoses utilizam-se da única solução que conhecem: capturar e matar.
O Ministério Público, instituição que representa a defesa dos interesses da sociedade e em especial contra os desmandos do poder público, equivoca-se ao emitir um parecer em favor da retirada dos animais, apoiado apenas e exclusivamente nas afirmações dos técnicos da AMMA. Exige urgência na retirada, mas não parece exigir urgência em campanhas permanentes pela posse responsável. Aplaudir as ações do executivo goianiense nem sempre significa aplaudir ações que beneficiam o conjunto da sociedade, haja visto episodio recente, onde câmara técnica do plano diretor transformou-se em cabide de emprego de “aparentados” de uns e outros. E com isso, o MP esquece que há um fator cultural na sociedade goianiense que faz com que as pessoas abandonem animais nas áreas verdes, e não apenas GATOS. Isso acontecendo, em pouco tempo, novamente, o Bosque dos Buritis estará cheio de gatos, os lagos cheios de espécies exóticas.
E por quê? Onde estão as campanhas educativas? Qual o papel do poder público? Para onde estão indo os recursos do Fundo Municipal do Meio Ambiente tendo em vista que não se tem noticia de NENHUMA campanha permanente pela posse responsável de animais? O que fazem os veterinários do Centro de Zoonoses além de laudos de morte dos animais encaminhados a câmara de gás?
É no mínimo estranho acusar os gatos do bosque de afetar a saúde pública e transmitir febre amarela, quando se noticia que MACACOS estão morrendo contaminados, e os gatos do bosque, todos, são vacinados e vermifugados pela ação dos voluntários, sem um centavo de apoio do poder público, que se omite.
Goiânia ainda vai pagar caro, pela idéias de ambientalistas de província, que ignoram que o homem e suas “tralhas” fazem parte do mundo verde. Em todo o mundo existem parques urbanos e neles, gatos. Em muitos lugares reconhece-se que os animais não possuem donos, estão abandonados e em situação de rua, mas que existem pessoas que cuidam. É o caso do Rio de Janeiro, que através de lei, os gatos, são devidamente vermifugados, vacinados e identificados pela Prefeitura e cuidados por voluntários que alimentam. A Lei lá é conhecida como “Gatos de César”.
O sacrifício dos atuais gatos do bosque será inútil, pois diante da omissão do poder público em ações educativas permanentes, novos animais chegarão ao local e recomeçará a caçada e mortandade de animais, em perfeito estado de saúde, sem qualquer justificativa. Um absurdo.

WEBER BORGES

No FAXINA GERAL : Morre o jornalista Weber Borges. O jornalista acompanhou de perto toda a tragédia do Césio 137 em Goiânia, sendo o próprio possivelmente mais uma vítima do acidente radioativo.

http://www.faxinageral.blog-se.com.br/blog/conteudo/home.asp?pg=1&idBlog=14232&arquivo=&inicio=&fim=&mes=&ano=2006

quarta-feira, dezembro 19, 2007

PLANO DIRETOR GOIÂNIA

Ninguém merece!

"18/12/2007
Promotor recomenda exoneração de parentes de vereador de cargos na Câmara Técnica do Plano Diretor de Goiânia
http://e-commerce.cultura.com.br/shopping/mostra_noticia.asp?txtEntidade=124549

O promotor Glauber Rocha Soares, que atua na área de defesa do patrimônio público, expediu recomendação ao prefeito de Goiânia, Iris Rezende, dando prazo até o próximo dia 28 para a exoneração de parentes de vereadores da Câmara Municipal de Goiânia dos cargos para os quais foram nomeados na Câmara Técnica de Planejamento do Plano Diretor da capital. O representante do Ministério Público alerta que o não-atendimento do recomendado pode levar à propositura das "medidas judiciais cabíveis".
A contratação de parentes de parlamentares para o órgão técnico foi denunciada hoje (18/12) em reportagem publicada pelo jornal O Popular. Segundo informado no texto, foram beneficiados com cargos de elevados salários – até R$ 4 mil – a mãe do presidente da Câmara, Deivison Costa, Eny Rodrigues da Costa; Ricardo Alves Deodato, irmão do vereador Clécio Alves, e Eduardo Borges de Souza, filho do vereador Izídio Alves.
Conforme alerta o promotor na recomendação, a nomeação de parentes de vereadores para cargos em órgãos técnicos vinculados ao Executivo constitui o chamado nepotismo cruzado, que, da mesma forma que o nepotismo direto, implica violação aos princípios da administração pública, sobretudo o da moralidade e da ampla acessibilidade aos cargos públicos."

Goiânia transformou-se em terra de ninguém. Ou melhor de aparências. O serviço público é pasto para alimentar todas as "antas" comissionadas, com curriculo "QI", como todo respeito as antas, e o resultado é uma cidade que paga, com recursos do erário, para que o seu dirigente máximo e seu secretariado recebam títulos disso ou daquilo, para que os jornais locais, noticiem bondades e se calem diante dos absurdos. Que vexame!

quarta-feira, dezembro 05, 2007

3ª Conferência Municipal de Cultura Goiânia

Enfim a publicação do acórdão e agora a luta continua para fazer valer a Lei.
Processo: 200602567151
Ementa:
DUPLO GRAU DE JURISDICAO. MANDADO DE SEGURANCA.APELACAO CIVEL. PUBLICACAO DE EDITAL DE CONVOCACAO PARA CONFERENCIA PUBLICA. OFENSA AOS PRINCIPIOS DA PUBLICIDADE E ISONOMIA. VICIO INSANAVEL. NULIDADEDO ATO E INVALIDACAO DOS EFEITOS. E COROLARIO NA ADMINISTRACAO PUBLICA O RESPEITO AOS PRINCIPIOS CONSTITUCIONAIS DA ISONOMIA E PUBLICIDADE,PRECONIZADOS NO ART. 5, CAPUT, C/C ART. 37, CAPUT,AMBOS DA CRFB/88, CUJA INOBSERVANCIA EIVA DE VICIO INSANAVEL QUALQUER ATO ADMINISTRATIVO QUE DELES DEPENDA, O QUE GERA, POR CONSEGUINTE, SUA NULIDADE.

Decisão:
VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS OS PRESENTES AUTOS,ACORDAM OS INTEGRANTES DA TERCEIRA TURMA JULGADORADA 2A CAMARA CIVEL DO EGREGIO TRIBUNAL DE JUSTICADO ESTADO DE GOIAS, POR UNANIMIDADE DE VOTOS, EMCONHECER DA REMESSA E DA APELACAO, E NEGAR-LHES PROVIMENTO, NOS TERMOS DO VOTO DA RELATORA.CONSTITUCIONAIS DA ISONOMIA E PUBLICIDADE,PRECONIZADOS NO ART. 5, CAPUT, C/C ART. 37, CAPUT,AMBOS DA CRFB/88, CUJA INOBSERVANCIA EIVA DE VICIO INSANAVEL QUALQUER ATO ADMINISTRATIVO QUE DELES DEPENDA, O QUE GERA, POR CONSEGUINTE, SUA NULIDADE.
Fonte: http://www.tj.go.gov.br/

terça-feira, dezembro 04, 2007

XVI Congresso Nacional de Museus

Caros colegas,

A Fundação Joaquim Nabuco disponibilzou a transmissão ao vivo do XVI Congresso Nacional de Museus, promovido pela Associação Brasileira de Museologia, com o apoio do Departamento de Museus e Centros Culturais do IPHAN/MinC, nos dias 4 a 7 de dezembro de 2007.

O evento pode ser acompanhado pelo link http://nabuco.fundaj.gov.br/aovivo.

A programação está disponível no site da ABM: www.museologia.org.br.

Atenciosamente,

Departamento de Museus e Centros Culturais
IPHAN/MinC

segunda-feira, dezembro 03, 2007

Neusa Moraes e Martim Cererê

No jornal O SUCESSO a coluna OLHO NA CIDADE informa que:
"Monumento (1)
Linda Monteiro, presidente da Agepel, manda notícia boa a esta coluna: “O governador Alcides autorizou o restante do pagamento para a empresa paulista responsável pela fusão do monumento a Pedro Ludovico, de autoria da artista plástica Neusa Moraes.”

Monumento (2)
Ela diz mais: “A estátua deverá chegar em breve a Goiânia. Assim ficará faltando apenas a definição do local para a instalação da obra.” Isso, segundo Linda, virá de acerto entre ela e o prefeito Iris Rezende.

Cererê
As instalações do Centro Cultural Martim Cererê estão muito precárias. Preocupados com isso, os selos Fósforo Records e Monstro Discos promovem dia 8 um showzaço de rock. A renda será destinada à reforma do prédio. "


Neusa esteja onde estiver está certamente dando pulos de alegria, nenhum artista gosta de ver e saber que relegaram o seu trabalho ao esquecimento.

E sobre o CERERÊ pelo visto vai acontecer uma ótima parceria entre o rock goiano e o Centro Cultural que é considerado como possuidor de dois teatros com ótima acústica. Espaço fundamental para a música e o teatro goiano.

Dá para concluir que nem só de conferências fraudadas e voto de marmita vive a cultura goiana, que é fundamentalmente isso ai, solidariedade e inteligência. E muito, mas muito talento.

quarta-feira, novembro 28, 2007

NILSON GOMES - ARMAZÉM GERAL

Sob o titulo "Fracasso" Nilson Gomes toca no ponto G do Secretário de Cultura de Goiânia. Ao realizar a 5ª Conferência de Cultura, o secretário e presidente do Conselho Municipal de Cultura reafirma seu caráter ditatorial de "vamos fazer valer" e dá com todo respeito, uma bela banana para o Tribunal de Justiça de Goiás.

Antigamente, antes do advento do arbítrio na SECULT, a sociedade tinha absoluta certeza que decisão judicial não se discute, se cumpre.

É verdade que os moinhos de vento existem, mas também é verdade que a obra ficcional de Cervantes, obra prima, qualifica aqueles ainda lutam por ideais e coloca no devido lugar os ditadores e escritores da província e os plagiadores.

"A Conferência Municipal da Cultura, ontem, foi fracasso total. De manhã, com lanche grátis, menos de 20 pessoas. À tarde, houve palestra com dois na platéia. Desrespeito com os debatedores, como Anselmo Pessoa (vice-reitor da UFG).
http://www.hojenoticia.com.br/editoria_materia.php?id=13627
Nilson Gomes – Armazém Geral "

Nada mais pertinente para esse momento da província goianiense que o poema de EDUARDO ALVES DA COSTA, escrito em Niterói, RJ, 1936.

NO CAMINHO, COM MAIAKÓVSKI

Assim como a criançahumildemente afaga
a imagem do herói,assim me aproximo de ti, Maiakósvki.Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombrocom um poeta soviético.Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.
Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.
Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz:
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.
Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei,porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
se o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.
Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas no tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares,
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.
E por temor eu me calo.
Por temor, aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita - MENTIRA!

O despudor dos que compactuam deixa corado até Toninho Malvadeza que Deus o tenha!

quinta-feira, novembro 22, 2007

NÃO JULGAREMOS?

Não julgaremos? Em apenas dois minutos, dois terríveis e desconfortáveis minutos o Tribunal de Justiça de Goiás julgou e reafirmou a sentença de primeiro grau que concede a FETEG – Federação de Teatro do Estado de Goiás, a SEGURANÇA e declara que a 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA DE GOIÂNIA É NULA e todos os atos decorrentes dela.
Em apenas dois minutos, sem afã, sem manifestações emocionais, sem delírios e arroubos da juventude a relatora DR. AMELIA NETTO MARTINS DE ARAUJO declarou o seu voto tendo em vista que o secretário de cultura de Goiânia NÃO HAVIA DADO PUBLICIDADE a 3ª Conferência Municipal de Cultura e mais, EXORBITARÁ DA LEI ao determinar que as entidades encaminhassem delegados usando como critério o tempo de existência das mesmas. E foi acompanhada em seu voto pelos DES. ALAN S. DE SENA CONCEICAO e ALFREDO ABINAGEM.
Vejamos, apenas para recordar, 05 de outubro de 2005 o Sr. Secretário de Cultura do Município de Goiânia assinou o edital de convocação da III Conferencia Municipal de Cultura. No dia 07 de outubro, sexta-feira, às 17:21, uma notícia da realização da Conferência foi divulgada na página da internet da Prefeitura. A grande maioria das entidades e demais interessados só tomaram conhecimento do andamento da Conferência na segunda-feira, dia 10 de outubro. A Conferência de Cultura foi marcada para acontecer no dia 12, quarta-feira, feriado nacional.
A FETEG – Federação de Teatro do Estado de Goiás representando não somente os interesses da própria federação, mas de todas as categorias da cadeia produtiva da cultura reunidas no Fórum Permanente de Cultura, tendo nada mais nada menos que UM DIA para se inscrever, decidiu impetrar mandado de segurança com o fim de suspender a realização da conferência e garantir a participação de todos.
Concedida a liminar, o Oficial de Justiça foi à SECULT para notificar o Sr. Secretário da liminar que suspendia a realização da conferência, com base na falta de publicidade do ato convocatório, mas o ilustre gestor da cultura goianiense havia “vazado” para destino ignorado no Setor Bueno. O Oficial de Justiça devolveu o mandado informando ao juízo que a autoridade impetrada (SECRETÁRIO DE CULTURA DE GOIANIA) deliberadamente se ocultara.
O dia 12 de outubro de 2005 ficou marcado pela FRAUDE praticada pelo poder público no intento de eleger conselheiros de cultura FAVORAVEIS a política de esperteza e de balcão que viria a ser implantada na Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia.
O presidente do Tribunal de Justiça concedeu à Prefeitura de Goiânia a suspensão da liminar fundamentado na suposta lesão à ordem pública existente caso a liminar fosse efetivada. O argumento utilizado é que sendo a 3ª Conferência Municipal de Cultura uma prévia da 1ª Conferência Nacional de Cultura, o cancelamento da mesma, impediria a participação dos delegados eleitos por Goiânia e ainda que não haveria repasse de verbas federais ao Município caso este não enviasse representantes à Conferência Nacional. Argumentação essa que deliberadamente ocultava que já era do conhecimento da Prefeitura Resolução nº. 001/2005, de 9/12/05, do Ministério da Cultura , com apenas 4 páginas e que invalidou a III Conferência Municipal de Cultura para efeitos de participação na 1ª Conferência Nacional de Cultura. A verdade é que a Secretaria Municipal de Cultura pretendeu fraudar a eleição do Conselho e o Judiciário, por erro e omissão, garantiu que tal fraude se perpetrasse e durante dois anos o erário “bancou” os falsos conselheiros e sua trupe de clientes.
Não julgaremos? É verdade, o julgamento veio daqueles que de direito e de fato poderiam afirmar que houve por parte do gestor público a prática de atos que deliberadamente feriram a Lei, o Tribunal de Justiça de Goiás.
Mas quem ganhou e quem perdeu? Goiânia ganhou. A democracia ganhou. E ganhou por que os jovens belicosos, e nos arroubos da juventude se negaram a fazer continência ao coronelismo na cultura e venceram na seara e na especialidade do secretário de cultura de Goiânia, professor universitário e pró- reitor de universidade particular da área do DIREITO. E perdeu o autoritarismo, a corrupção, a improbidade no serviço público.
E agora Prefeito, qual o mérito de receber o diploma de prefeito amigo da cultura? E agora permitirá que no rastro do aparente sucesso das ações fraudulentas na 3ª Conferência Municipal de Cultura seja realizada a 5ªConferência?
Que se cumpra a sentença : “...CONCEDO a segurança pleiteada invalidando os efeitos da Conferência realizada nos dias 11 e 12 de outubro de 2005 e anulando o Edital nº. 04/2005. Dr. Fabiano A. de Aragão Fernandes, juiz de direito 2ª vara da Fazenda Pública Municipal.”

Deolinda Conceição Taveira Moreira – Conservadora Restauradora de Bens Culturais, especialista em Gestão de Patrimônio Cultural Integrado e ativista do Fórum Permanente de Cultura de Goiânia.

sábado, outubro 27, 2007

FERNANDO KREBS


Fernando Krebs fala ao semanário O Jornal de Goiás sobre os escândalos políticos em Goiás. Segundo o jornal, com seu estilo independente e determinado, Fernando Krebs conseguiu, em poucos anos de exercício da função em Goiás, imprimir uma nova dinâmica na ação na Defesa do Patrimônio Público mantendo-se incólume à pressão política, tão em voga no Estado.
O Blog DITOS E MALDITOS republicou a entrevista que vale a leitura atenta. Para ler http://www.ditosemalditos.blogspot.com/ .
Boa leitura.

domingo, outubro 21, 2007

MUSEU OU BREJO ?

Robson Outeiro que é Administrador de Empresas, com curso de Gestão Estratégica em Gerência e Marketing Cultural na Fundação Uni-Rio publico no jornal O GLOBO um excelente artigo sobre o papel do museu. Qual sua função?
Ora, os museus no geral trabalham com a temática do poder e memória. Os objetos reconhecidos como “peça de museu” possuem em si um valor “atribuído”. E essa atribuição acontece quando um determinado objeto é retirado do seu contexto original e levado para um outro espaço – museu – e mais especificamente, quase sempre, para uma Reserva Técnica, e posteriormente pesquisados, utilizados com a finalidade de entretenimento e educação.
Mas que objetos são esses? Aqueles nos quais são identificados valores, sejam históricos, artísticos que demonstrem a capacidade construtiva e inventiva de um povo.
O Museu de Arte de Goiânia, instalado em um parque público, e por isso, mesmo ativo desde a década de 70, é considerado como um obstáculo a ânsia verdolenga dos ambientalistas de província goianiense. Que odeiam museus e gatos.
A gritaria da turma do verde, não é tão terrível quanto o descaso da direção - uma diretora laranja e um falso diretor - com o seu acervo, a ausência de políticas para exposição e de programas de capacitação dos servidores envolvidos nas atividades das áreas técnicas.
Depois de um longo período de estiagem, 5ª feira, 18/10, a noite, finalmente choveu. Alegria e comemoração para uns e para o MAG, o caos. Novamente a sua reserva técnica foi inundada. E para piorar, a sua equipe técnica, que segundo o site da instituição “ empenha-se para preservar o acervo do museu “ só percebeu a inundação da reserva técnica, no meio da tarde da sexta-feira, e como já era tarde, as ações de contenção dos danos ficaram para 2ª feira. E choveu novamente na madrugada do domingo. Quase uma semana, o que restará intacto desse acervo?
O MAG é o maior exemplo da política cultural mesquinha e provinciana adotada pela administração pública goianiense, marcada por perseguição a servidor público e pela impermeabilização geral da cidade.

Afinal que museu é esse? Em 2004 ouvi de uma figura muito interessante que em determinando momento andou por essas paragens, que as artes em Goiás viviam o inusitado de possuir dois museus dedicados ao tema, um situado em uma sobreloja e o outro no meio de um brejo. Existe verdade maior que essa? Existe sim. Um dos museus, o MAG não apenas está situado em meio a um brejo, transformou-se ele próprio em um.
Retomando ao discurso anterior, qual o valor atribuído as obras de arte que compõem o acervo inundando do MAG? De acordo com as ações da SECULT esse acervo é LIXO. E como tal é tratado. A chuva que caiu e molhou o acervo tem culpa? A ira divina? Não. Gestores públicos incapazes de compreender a função do museu na sociedade, imaginam que política cultural é fazer festival para aparecer na mídia. São escritores de dezenas de artigos pregando amor e fraternidade entretanto, o que buscam é “o faz de conta”. Fraternidade só entre irmãos de fé. Aleluia Senhor!
E a província aceita, a imprensa- dependente de recursos públicos- bate palmas para o reino do faz de conta, olvidam que no futuro, arqueólogos pesquisando a civilização que habitou, se perguntará, que povo foi esse? E não terão respostas por que não acharão registros material dessa civilização. Talvez, por ironia, quem sabe, encontrem um livrinho mal escrito e repleto de erros, com a logomarga do Simple Life e ai então, entreolhando-se dirão: “Mas que raios de povo... ???”
A leitura do artigo NOS BRAÇOS DO MUSEU é recomendada para quem gosta do assunto. Quanto ao caso do MAG vote nele para uma das 7 MARAVILHAS INUNDADAS DE GOIÂNIA, o concurso vale um montão de brindes!


Para votar siga o link http://www.interativafm.net/promocoes.php?id=549 .

Nos braços do Museu
Por Robson Outeiro
Hoje em dia, a real função de um Museu é muito discutida e debatida. Seria entreter? Ou seria educar? No âmbito de suas inúmeras atribuições - dentre elas algumas festeiramente induzidas - , poderíamos até dizer que o Museu seria mais um ativo na difícil e árdua tarefa que se tornou o simples ato de "educar". No berço das instituições Família e Escola, o Museu teria também o seu papel agregador = educador de alguma forma. Mas, pergunto: vivemos isso ou todo esse blá blá blá é mais um foco que acendemos à luz da discussão?
Não é de hoje que ouço dizer que a Educação por aí não anda bem das pernas. E, também que a tal instituição "Família" já pedira falência. E, que os Museus... Ah! Esses sim existem por força de alguém ter encontrado o caminho das Índias - tendo como guia o mapa do Mecenato!
É meio estranho, e ao mesmo tempo um tanto repetitivo e debochado, afirmar a essa altura que a Educação não existe sem a Cultura. A base do instruir está na leitura e, também, no atemporal que buscou seu refúgio no seio de cada Museu. Hoje, o passado, o presente e o futuro não existem, já que a produção artística sustenta o seu processo criativo ou se recria sob referências - é como tomar um copo d'água, abrindo aspas para uma breve licença poética.
A Cultura, por ser Cultura, bravamente se reiventa para sobreviver. Pelo menos consegue manter o nariz fora d'água em meio à inundação caótica que se tornou a sua perpetuação. Como um épico, o Museu é a casa da Cultura e de todos os seus filhos-gêneros. E, vendo esse lar como a casa da boa e velha mãe Joana, poderia abrigar - por que não? - sob as suas longas e pesadas asas, a conhecida "mãe solteira" Educação, que como uma árdua-guerreira segue lutando feroz pelos seus.
Contrariando Le Corbusier, que há tanto atacou em seus pensamentos a real necessidade de um museu como componente fundamental da vida humana como o pão, a bebida, a religião e a ortografia, temo dizer que o seu pensar ecoou, ou melhor, continua ecoando desde que Brasília saiu do papel para se tornar um modelo de cidade modernista. Isso porque, aos olhos dos seus criadores, que jamais poderiam prever que na falta de um grande Museu no seu projeto original, Brasília - no âmago de suas edificações - se tornaria um grande presídio a céu aberto.
Mas, não quero levar o assunto a longas discordâncias. O fato é que o papel dos Museus hoje em dia está muito aquém do que se espera, sendo eles o abrigo da Educação e da Cultura.
Na busca de sua sobrevivência ou pela sobrevivência da sua própria condição muitos Museus se reinventaram ou foram reinventados. Hoje:
1) temos os chamados Museus Blockbusters - os que espertamente descobriram o filão do varejo e se patentearam, sobrevivendo da venda direta ou consignada de lápis e canecas;
2) temos os chamados Museus Históricos, que por serem públicos - e sinônimo de qualquer coisa pública é sofrível - se esforçam para manter a poeira longe dos seus acervos - salvo alguns casos;
3) temos o MASP, que como um bom clube de futebol falido só vive do seu passado de glórias;
4) temos ainda o MAC de Niterói, o MON, o Museu da Língua Portuguesa e muitos outros que ainda estão por vir como o Museu do Futebol, o Museu da Criança, o Museu do Meio Ambiente, e por que não um Guggenheim ou um Pompidou aproveitando a balbúrdia em série? A pergunta é: temos fôlego para toda essa festa? O Museu seria um bom negócio ao ponto de darmos a ele a condição de um shopping?
Não que eu seja contrário a essa idéia se a condição for a sua própria sobrevivência. Entretanto, o Museu é a vitrine de um povo, a residência de sua essência criativa, não podemos trazer aos olhos daqueles que o procuram como um agente agregador = educador uma simples etiqueta com preço! Nos seus braços existe uma força maior: a do aprendizado.
Robson Outeiro é formado em Administração de Empresas, com curso de Gestão Estratégica em Gerência e Marketing Cultural na Fundação Uni-Rio
http://oglobo.globo.com/opiniao/mat/2007/09/21/297828728.asp
Publicada em 21/09/2007 jornal O GLOBO

quinta-feira, setembro 27, 2007

GRANDE HOTEL E O CÉSIO 137


Após 20 anos, uma mostra fotográfica emociona e chama a atenção de uma multidão na porta do Grande Hotel.

O Grande Hotel foi o primeiro prédio construído em Goiânia e atualmente é parte do acervo art déco tombado como patrimônio nacional. Na sua história de vida, o prédio já foi o palco principal da vida cultural goianiense, depois abandonado e esquecido, foi modificado e assim perdendo, internamente, quase todas as referências originais.

O prédio é de propriedade do INSS e foi ocupado em 2004 pela Prefeitura de Goiânia. Essa ocupação tinha como argumento a instalação ali do Centro de Memória e Esquecimento, ops!!, Referência. E claro isso nunca aconteceu. O que de fato e de direito foi implantado é a Divisão de Patrimônio Histórico.E sobre a Divisão de Patrimônio Histórico, pode se dizer sem medo de cometer injustiças, que Goiânia possivelmente é a única capital brasileira, que possui acervo arquitetônico tombado como patrimônio nacional e o órgão municipal de proteção é totalmente capenga e sem qualquer condição de atuação, pois lhe falta pessoal qualificado, equipamentos, mobiliário e computadores. E essa situação não é culpa de quem atualmente está "lotado" na DPH, ou ali foi parar para cumprir pena, e sim, da total ausência de interesse do executivo pelo assunto: proteção do patrimônio cultural. Aliás, quando há interesse é no sentido de demolir e bem rápido para receber à titulo de compensação alguns módicos milhões.

Enfim, voltemos ao assunto, Grande Hotel e o Césio 137. Rogério Borges, em um texto emocionante chama a atenção das pessoas para o aniversário de 20 anos da tragédia do acidente radiológico ocorrido em Goiânia com Césio 137. E para marcar a data, O POPULAR promove a exposição Césio - 20 Anos, com 50 fotografias em que estão alguns dos registros mais dramáticos da cobertura da tragédia provocada pela abertura de uma cápsula com césio 137, substância altamente radioativa, que causou mortes, destruiu famílias, deixou a população em pânico e recobriu Goiânia com a sombra do estigma e do preconceito.

Fantástica mostra, emocionante e diria que talvez seja a mais importante dos últimos tempos, pois retira do esquecimento, fatos, pessoas, sentimentos que foram soterrados e ocultados. É a hora de contar as vítimas, de nos reconhecermos no sofrimento de tantos, e que Goiânia, ao invés de esquecer se lembre sempre, amadureça e efetivamente seja a cidade que aceite todos os seus cidadãos.

O Grande Hotel em outros tempos serviu como point da elite, da juventude, dos políticos, dos intelectuais, hoje, sua calçada, com essa mostra, creio eu, recupera muito desse glamour e atrai os olhares curiosos dos políticos, da juventude, de passantes anônimos. E quem sabe, seja redescoberto, reconhecido ?


É claro que redescobrir o Grande Hotel não é interditar o 3º andar com uma “porta” e selar com cadeado, e ali fazer instalar uma escola particular de música. Como é a pretensão da SECULT, que designou como bate estaca a jornalista Marley Costa Leite e como beneficiário Oscar Wild e sua trupe.
A porta é uma vergonha e transforma o Grande Hotel em um pardieiro mal acabado. E é bom que se diga que não existe qualquer autorização do IPHAN para isso. Apenas o desejo de um gestor público, que pelo bom desempenho frente a pasta é apontado como personagem principal do post anterior “Mau cheiro na cultura?”, ao lado de seu fiel escudeiro.
O Grande Hotel é simbólico para Goiânia e deveria ser tratado com respeito e dignidade. Se hoje não é mais um hotel, que se torne ao menos, o local onde se possa guardar as referências dos pioneiros, a memória dos que ajudaram a construir essa cidade, sonhada como uma princesa do centro-oeste, dos filhos e filhas que cresceram junto com ele.
Eh! Goiânia!
Para ler O POPULAR promove exposição com fotos do acidente com o Césio 137 por Rogério Borges siga o link http://goiasnet.globo.com/cultura/cul_report.php?IDP=6831 para saber em primeira mão a decisão da Justiça Federal sobre a disputa entre a Prefeitura e o INSS pelo prédio: http://www.trf1.gov.br/processos/ProcessosTRF/ConsProcTRF1Pes.php?tipoCon= e no campo número do processo digite: 2005.35.00.013512-2 .




domingo, setembro 23, 2007

Mau cheiro da cultura?

Sob o título "Mau cheiro da cultura" o mentor intelectual nos idos de 80, do então secretário estadual de cultura e atual secretário municipal de cultura de Goiânia, PX da Silveira coloca as claras o que acontece no cotidiano da SECULT. Haverá uma resposta? Logo saberemos.
Entretanto, PX esqueceu de apontar em seu artigo, a relação existente entre a SECULT e a maçonaria. Afinal, é ou não é verdade que o secretário é o grão mestre geral da Maçonaria Gloria do Ocidente? E o diretor citado no artigo também é parte da mesma "seita"?
Para quem ainda duvida, uma sugestão de leitura é a home page da própria maçonaria http://gloriadoocidente.org/index.php?pagina=125 .
Bons tempos aqueles onde a maçonaria representava homens de inteligência e do bem.
Crivela jamais pensou que seria copiado, descaradamente em sua proposta de destinar os recursos da cultura, para os operadores de seitas protestantes.
A segunda sugestão de leitura é o blog ENTREATOS.
E abaixo para o deleite de todos e todas o artigo do PX literalmente copiado e colado do blog ENTREATOS.

"Mau cheiro da cultura

Criada e instituída na administração do prefeito Pedro Wilson, a Lei Municipal de Cultura tem sido uma das alavancas da produção cultural goianiense. Perspicaz, a atual administração não só a manteve em pleno funcionamento, percebendo de imediato a sua importância, como também tratou de lhe dar maior divulgação.Mas a perspicácia não parou por aí. Tão logo assumiu, o novo secretário de Cultura tratou de podar as asas do conselho de análise dos projetos, retirando-lhe, de uma só vez, o caráter autônomo que o distinguia e a representatividade que o caracterizava. É mais um caso patente em que a perspicácia passa de mocinha à vilã, se manifestando em excesso a ponto de exceder-se e virar esperteza. E se é correto o dito que onde há fumaça sempre encontramos fogo, onde ele teria se camuflado, então?Eis que da fumaça alardeada pelas entidades representativas dos diversos segmentos da cultura goianiense, opondo-se ao novo dirigismo municipal, saltam agora as labaredas que nos atingem a olhos nus, sem quaisquer pudores. Para constatar seu furor, basta examinar o resultado e o processo em que se deu o último edital de seleção da lei, divulgado nesta semana.Muitos me perguntariam porque escrevo este artigo, já que um dos projetos aprovados trata exatamente da reedição do livro Conhecer Confaloni, prêmio de monografia de minha autoria, editado originalmente pela UCG. Pois eu respondo desde já.Definitivamente, não podemos compactuar quando a esperteza insiste em fugir do controle do bom senso para ameaçar não somente o bom funcionamento da referida lei como também sua própria existência.Mais que falar, os fatos gritam por eles mesmos. Haja ouvidos, por exemplo, para o segmento das artes plásticas, que expressa seu descontentamento pelo fato de não ter um único representante na comissão.Haja ouvidos, também, para o setor das artes cênicas, que, ainda travando um desigual embate judicial com essa secretaria – em que espera resguardar seus direitos –, se vê agora obrigado a engolir um “legítimo representante” que fora deslocado às pressas da área de música, sem mencionar sua condição de dublê de agente civil ao mesmo tempo que funcionário da mesma secretaria.Ouvidos doendo? Pois há mais coisas que crescem orquestradas do adubo que medra na Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia. E quem haverá de velar por nós se não o Ministério Público?Consta que, da lista dos projetos recém contemplados pela seleção do edital municipal, nada menos que seis deles têm ligação direta ou menos direta, mas todas evidentes, com um diretor da mesma secretaria, ao que parece, co-responsável por conduzir e formular na surdina pública cada edição do edital.Sob a rubrica de “outras manifestações culturais”, foram estranhamente contempladas algumas entidades de caráter estritamente religioso, sejam editoras, produtoras e mesmo igrejas. E como se não bastasse esse desvio de natureza e funções, uma igreja (aprovada!) é a mesma que, em sua TV, apresenta um programa por ninguém menos que o próprio presidente da comissão de análise e citado diretor da mesma secretaria de Cultura.E não é só. Dois outros projetos (aprovado! aprovado!) contemplam a estagiária do referido programa (R$ 21 mil) e a empresa onde o mesmo programa é editado (R$ 20 mil). Convenhamos, é mesmo muito ibope!Vale lembrar que, ao contrário do que acontece em outras leis de incentivo, ter um projeto aprovado por este edital representa dinheiro vivo para sua realização, pois o financiamento vem de forma direta do ISS e do IPTU do contribuinte municipal. O agravante, todos podem perceber, é que o mau uso dessa lei tão bem-vinda para o setor cultural poderá abrir caminho para que a Câmara dos Vereadores crie obstáculos para seu funcionamento, que, ano a ano, tem sido mantido graças a muito esforço e mobilização do setor nas horas certas e incertas.Por isso, queremos crer que, muito embora enfraquecido no aspecto moral por fatos ainda recentes que o levaram a ser citado à guisa de desvio de autoria no seu pretenso trabalho de tese apresentado a uma universidade, entre outros, esperamos que, mesmo assim, o secretário atual de Cultura municipal não decline de vez da sensatez e da conduta transparente que deve ter todo administrador público.Não são somente os tão falados recursos públicos que estão em questão, mas também a gestão do nosso capital social, de onde brota a esperança coletiva, que é a primeira a ser atingida quando fatos assim vêm à tona. Ao lesar o erário, o administrador público está também lesando a moral e a auto-estima do cidadão, seja ele produtor ou consumidor de cultura.O País está emporcalhado demais para que mais esse sacrifício da transparência e isenção públicas seja-nos imposto, dessa vez, sangrando no meio dos produtores culturais, mas atingindo toda a sociedade. Em última estância e se necessário for, sabemos que o insigne prefeito dessa cidade, sr. Iris Rezende, não permitirá que este ato seja sacramentado. De nossa parte, não podemos aturar que o mau cheiro que até agora recendia da praça nacional passe a recender também do nosso quintal.
PX Silveira
documentarista"
O artigo foi originalmente publicado no jornal DIÁRIO DA MANHÃ.
http://entreatos.blogspot.com/2007/09/prefeitura-acaba-com-comisso-de_21.html

quarta-feira, setembro 12, 2007

Depois da absolvição do presidente do senado Renan Calheiros (PMDB - AL), dá para acreditar que o Brasil é sério?
Fala sério!
Leia em http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI1903149-EI7896,00.html
O fato do Tribunal de Justiça de Goiás não colocar em pauta o processo da CONFERENCIA MUNICIPAL DE CULTURA é diferente do julgamento do Renan? Sim, mas o espírito de bandalha é o mesmo. Não somos o povo brasileiro, somos a massa de manobra de instituições comprometidas com políticos de 5ª categoria. Do tipo que suga, que surrupia, que destrói, que mata aposentados em filas, que rouba balinha de criança, que bate no peito e fala de suas ovelhas, o povo, pronto para ser tosquiado!

quarta-feira, setembro 05, 2007

Conferência segue sem veredicto final

O jornal O POPULAR publicou uma reportagem sobre o "ponto morto" do judiciário goiano.

Uma reflexão precisa ser feita, a demora na decisão do judiciário, acaba por legitimar todos os atos do secretário, que não duvido, acabe por receber um troféu como mecenas da cultura goianiense.

Sabemos que a democracia pressupõe um jogo de opiniões divergentes ou convergentes, mas também o respeito as leis e neste caso, o poder público só pode agir dentro do que está escrito na lei. Aquilo que advogados espertinhos supõe ser bacana no âmbito do privado, que é , se não está na lei, é brecha para deitar e rolar, quando acontece na administração pública, tem um nome: IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.

Eis ao o X da questão de uma decisão final do judiciário: negar publicidades aos atos da administração pública é IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.

Mas leiam a seguir a matéria publicada no jornal.

Conferência segue sem veredicto final

por Edson Wander para o JORNAL O POPULAR
Passado mais de um ano da decisão em primeira instância que anulou a realização da 3ª Conferência Municipal de Cultura, o caso ainda aguarda pelo chamado duplo grau de jurisdição do Tribunal de Justiça de Goiás, em relatoria sob os cuidados do desembargador Zacarias Neves Coelho, da 2ª Câmara Cível. Entidades do Fórum Permanente de Cultura prometem promover atos públicos e novas investidas legais para tentar obter a confirmação da decisão dada pela juiz Fabiano A. de Aragão Fernandes em junho do ano passado.

“É estranho essa demora. O normal é que um processo simples como esse, de 2ª instância, entre na pauta da justiça para apreciação em no máximo quatro meses”, reclama Deolinda Moreira, integrante do Fórum Permanente de Cultura de Goiânia, composto por artistas e produtores da cidade. A briga na Justiça pela anulação da conferência começou no final de 2005, quando o fórum conseguiu liminar para anular a realização do evento sob críticas de “manipulação” na constituição dos novos membros do Conselho Municipal de Cultura.

A liminar foi derrubada em seguida pela Secretaria Municipal de Cultura sob alegação de que Goiânia precisava nomear representantes para participar da Conferência Nacional de Cultura. Mas o próprio Ministério da Cultura acabou invalidando a conferência para efeito de nomeação de representantes ao evento nacional. A assessoria do desembargador Zacarias Neves Coelho informou que o “processo deve entrar na pauta de votação neste mês, mas o julgamento propriamente dito pode ser realizado em outubro”. (EW)

quarta-feira, agosto 29, 2007

ANIVERSÁRIO, QUEM SE IMPORTA COM CULTURA?

Na edição de hoje do JORNAL NACIONAL, o principal comentário foi sobre sensação do brasileiro, uma vez estabelecido que os 40 mensaleiros deverão ir a julgamento, que o longo e lerdo braço da Dona Justa é capaz de alcançar até mesmo os ratos palacianos.

Mas, será que é verdade? Acreditem se puderem, mas em Goiânia, a Dona Justa não se preocupa em alcançar nada. Já explico!

No dia 08 de junho de 2006 a seguinte sentença foi proferida pelo Dr. Fabiano A. de Aragão Fernandes, juiz de direito " ... POSTO ISSO, PELA MOTIVACAO SUPRADITA E COMUNGANDO DO PARECER MINISTERIAL, CONCEDO A SEGURANCA PLEITEADA, INVALIDANDO OS EFEITOS DA CONFERENCIA REALIZADA NOS DIAS 11 E 12 DE OUTUBRO DE 2005 E ANULANDO O EDITAL N. 05/2005. E O VEREDICTO. CUSTAS NA FORMA DA L EI. SEM HONORARIOS (SUMULAS 105 STJ E 512 STF.) GOIANIA, 08 DE JUNHO DE 2006. DR. FABIANO A DE ARAGAO FERNANDES. JUIZ DE DIREITO. "
Bom não é? É nada!Ou melhor, seria, se tivesse algum efeito prático.
A Conferência só foi divulgada entre os amigos do Rei e claro qual o Governo que não faria o mesmo? De uma idéia simples assim, surgiu o dito cujo "mensalão". É o estilo "é dando que se recebe". Desta maneira, até o mais crítico dos escritores e os mercadores das artes se deixam convencer de qualquer coisa. Ou pelo menos fingem.
Claro foi o parecer ministerial - do Ministério Público - e clara foi também a sentença do juiz, em primeira instância, mas, de novo, o danado do masssssss ... lá se foi o processo para a decisão de segunda instância. Ou seja, três doutores da lei, confirmarão ou não, a sentença do juiz.
E é ai que entra a palavra ANIVERSÁRIO. Pois é.Desde o dia 29 de agosto de 2006 o processo aguarda a preciosa e decisiva palavra dos três doutores da Lei em Goiânia.
É impressionante, mas durante um ano o nobre relator Des. Zacarias Neves Coelho, da 2ª Camara Cível, ainda não conseguiu colocar na pauta de julgamento processo de Nº 200602567151 (13881-9/195) que de interesse da coletividade. Quem sabe, ao término da democrática gestão do PMDB frente a Prefeitura de Goiânia, entre na pauta para arquivamento?
É interessante que se discuta tanto hoje a democracia no Estado contemporâneo e o papel do judiciário.
Esperança de justiça no Brasil é pura teimosia.
Se querem saber mais leiam o blog http://www.entreatos.blogspot.com/ .

sábado, agosto 18, 2007

PERU: AJUDA HUMANITÁRIA

Recebemos a pouco uma carta da nossa colega peruana e companheira de luta em defesa do patrimônio cultural Silvia de Los Rios, relatando o desastre e o caos causado pelo terremoto que atingiu o Peru.

A ajuda é necessária e urgente.

"Lima, 18 agosto 2007
El 15 de agosto en Perú, fue asotado por dos terremotos, de grado 7.7 a más, y según calculo internacional grado 8, con probables replicas de menor intensidad.

Hasta la fecha se han producido mas de 100 replicas, que se vienen sintiendo en diferentes ciudades de Perú, y con mayor intensidad en ciudades de la costa
como Lima, Pisco, Chincha, Cañete, entre las principales; dejando a la fecha más de 80,000 damnificados, 500 muertos y 17,000 viviendas destruidas (ver informe adjunto).

Gracias a la solidaridad nacinal e internacional, desde el mismo día del desastre han venido llegando ayuda del Gobierno de Bolivia, Argentina, Brasil, Chile, Unión Europea, Alemania, Colombia y de muchos más, que siguen llegando, así como de amigos de la sociedad civil internacional: MISEREOR, FUCVAM, CARITAS entre otras, las cuales principalmente, no nos hacen sentir, a todos los peruanos, que no estamos sólos.

Para los amigos, especialmente del extranjero, que deseen saber como hacer llegar su ayuda a los damnificados, uno de los canales que pueden utilizar son las oficinas de CARITAS que se encuentran en sus países, es una institución que tiene sede en todas partes del mundo y en Lima, en una de las principales instituciones que viene canalizando la ayuda.

Finalmente, este evento sismico es nuevamente parte de la historia sísmica del Perú,país considerado mundialmente de alta sismisidad, lo cual nos debe de llevar a a la reflexión de todos los peruanos (población y autoridades) y a la comunidad internacional, sobre si los eventos sismicos de esta naturalesa, son desastres naturales" o es que la falta de preparación para recibir este tipo de eventos, así como la ausente de asistencia técnica para construir sus vivienda, asentarse como pueblo, especialmente los grupos más vulnerables como los empobrecidos, que la localidad no tenga un Plan de gestión y reducción del riesgo, para el pre, durante y post desastre; temas para pensar sobre como "prepararnos para convivir" con la naturalesa. Como otros países, ya lo aplican: Japón, Suiza, entre otros, preparados para convivir con la naturalesa, sin perdidas de miles de vidas y especialmente de los más vulnerables.
SILVIA DE LOS RIOS "

O site da CARITAS no Brasil é http://www.caritasbrasileira.org/
vitelio@caritasbrasileira.org ; caritas@caritasbrasileira.org

quinta-feira, julho 19, 2007

Paralisação no MinC faz cair turismo cultural

Programação prevista para o Pan teve de ser cancelada e ministério teme queda de seu desempenho na execução orçamentária, de 99,8% no ano passado

por Jotabê Medeiros para o Estado de São Paulo

A greve dos servidores do Ministério da Cultura completa 64 dias hoje, e seu impacto no financiamento e do acompanhamento de projetos culturais deve comprometer significativamente a dinâmica do setor neste ano. Os grevistas estimam, por exemplo, que no Pronac (Programa Nacional de Apoio à Cultura) e na Lei Rouanet, mais de mil projetos estejam aguardando encaminhamento, além dos mais de 1.500 que dependem de parecer técnico.

A matéria é de acesso livre no jornal O ESTADO DE SÃO PAULO para ler basta clicar no título da postagem no blog.

Não é hora do governo brasileiro tomar tento e resolver essa questão? Afinal, para os empregados da iniciativa privada existem leis e os empresários devem cumpri-las, e no caso do servidor público? Ficam a espera de um milagre?

Plano de cargos e salários já para os servidores do MINC!!!!!

quarta-feira, julho 11, 2007

SELEÇÃO 2006/2007 PETROBRAS

Saiu o resultado da seleção do programa PETROBRAS CULTURAL e na área de museus~não deu outra, o projeto do MIS-GO aprovado!
Parabéns!

PROGRAMA PETROBRAS CULTURAL - SELEÇÃO 2006 / 2007 PRESERVAÇÃO E MEMÓRIA - APOIO A MUSEUS, ARQUIVOS E BIBLIOTECAS
PROJETOS CONTEMPLADOS

A DIGITALIZAÇÃO DOS ACERVOS DO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE GOIÁS
Protocolo: 383
Proponente: Associação de Amigos do Museu da Imagem e do Som de Goiás
Estado do Proponente: GO
Abrangência: GO
Apresentação: Projeto voltado ao compartilhamento das informações das coleções sob guarda no Museu da Imagem e do Som de Goiás.
OS VERTEBRADOS PERMO-TRIÁSSICOS DO RIO GRANDE DO SUL
Protocolo: 615
Proponente: Cesar Leandro Schultz
Estado do Proponente: RS
Abrangência: SP, RS, AC, PR, MA, SC, DF, RJ, MG, CE
Apresentação: Projeto de edição de livro e exposição para a difusão das pesquisas do laboratório de Paleovertebrados da UFRGS, que receberam apoio do CNPq.
PRESERVAÇÃO DO ACERVO CARTOGRÁFICO DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO SUL
Protocolo: 809
Proponente: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul
Estado do Proponente: RS
Abrangência: RS
Apresentação: Trata-se da salvaguarda e da disseminação do acervo cartográfico do IHGRS, maior instituição histórica criada e mantida com recursos privados no sul do país.
ESTANDARTES DO MUSEU DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
Protocolo: 1904
Proponente: Luis Marcelo Mendes de Siqueira
Estado do Proponente: RJ
Abrangência: RJ
Apresentação: Trata-se da restauração do conjunto de estandartes do século XIX, coleção integrante do acervo do Museu da Cidade do Rio de Janeiro, ultrapassa a mera caracterização de "bens culturais". A coleção pode ser colocada na categoria "relíquias históricas", contendo exemplares únicos de grande significação simbólica, como a primeira bandeira nacional republicana.
REESTRUTURAÇÃO DO ARQUIVO HISTÓRICO DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DA BAHIA
Protocolo: 3382
Proponente: Santa Casa de Misericórdia da Bahia
Estado do Proponente: BA
Abrangência: BA
Apresentação: Trata-se da acomodação adequada, em novas instalações, à extensa e rica documentação armazenada pela Santa Casa de Misericórdia da Bahia nos quatrocentos anos de sua existência.
RECUPERAÇÃO DO ÓRGÃO DE SÃO JOÃO DEL REI
Protocolo: 3451
Proponente: Associação dos Amigos do Museu Regional de São João Del Rei - AMAREI
Estado do Proponente: MG
Abrangência: MG
Apresentação: Propõe o restauro do órgão pneumático que se encontra no Museu Regional de São João Del Rei, e a devolução de suas funções nas atividades culturais, tanto da região quanto do Brasil, permitindo a fruição de um belo instrumento musical do período colonial brasileiro.
PRESERVAÇÃO DO ACERVO CARTORÁRIO NO ARQUIVO PÚBLICO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES
Protocolo: 3537
Proponente: Carlos Roberto Bastos Freitas
Estado do Proponente: RJ
Abrangência: RJ
Apresentação: Trata-se de identificação e conservação preventiva de precioso acervo cartorário, talvez o mais completo ainda existente no estado do Rio de Janeiro.
PRESERVAÇÃO DA COLEÇÃO DE PERIÓDICOS DO DEPARTAMENTO BIBLIOTECA MÁRIO DE ANDRADE
Protocolo: 3583
Proponente: Associação de Amigos e Patronos da Biblioteca Mário de Andrade
Estado do Proponente: SP
Abrangência: SP
Apresentação: Trata-se da preservação do acervo histórico e hemerográfico da maior coleção de jornais e outros periódicos sobre o cotidiano paulista.
GUARDA E ACONDICIONAMENTO DO ACERVO CARTOGRÁFICO DO INSTITUTO CARL HOEPCKE E DIFUSÃO DA INFORMAÇÃO.
Protocolo: 3585
Proponente: Instituto Carl Hoepcke
Estado do Proponente: SC
Abrangência: SC
Apresentação: Trata da aquisição e instalação de mobiliário e equipamentos adequados para a guarda e acondicionamento do acervo cartográfico do ICH visando à melhoria do acesso às informações, através de suporte eletrônico, e à segurança do acervo, uma vez que se propõe a reuni-lo num mesmo espaço físico.
PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DO ACERVO DO MUSEU AMAZÔNICO
Protocolo: 3666
Proponente: Fundação Universidade do Amazonas - FUA
Estado do Proponente: AM
Abrangência: AM
Apresentação: Projeto de preservação e conservação do acervo do Museu Amazônico, respeitando a diversidade e especificidades da coleção, enfatizando os itens de arte plumária e cerâmica.
MODERNIZAÇÃO DO SETOR DE OBRAS RARAS E JORNAIS MARANHENSES DA BIBLIOTECA PÚBLICA BENEDITO LEITE
Protocolo: 3697
Proponente: Sociedade de Amigos da Biblioteca Pública Benedito Leite
Estado do Proponente: MA
Abrangência: MA
Apresentação: Objetiva preservar e divulgar a coleção de obras raras e o acervo hemerográfico da biblioteca pública Benedito Leite.
IMPLANTAÇÃO DE MEMORIAL E MUSEU DE PALEONTOLOGIA EM RIO BRANCO - ACRE
Protocolo: 3757
Proponente: Fundação Municipal de Cultura Garibaldi Brasil
Estado do Proponente: AC
Abrangência: AC, AM, RO
Apresentação: Projeto de implantação do memorial, com ênfase na classificação e na divulgação do patrimônio paleontológico nacional.
PROJETO DE SEGURANÇA ELETRÔNICA DO ARQUIVO GERAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
Protocolo: 3852
Proponente: Beatriz Kushnir
Estado do Proponente: RJ
Abrangência: RJ
Apresentação: Trata da instalação de segurança eletrônica para o Arquivo da Cidade, dotando-o dos meios de prevenção que garantam a segurança na instituição.
DOCUMENTOS DA ESCRAVIDÃO NO RIO GRANDE DO SUL
Protocolo: 3909
Proponente: Associação dos Amigos do Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul - AAAP
Estado do Proponente: RS
Abrangência: RS
Apresentação: Objetiva preservar e divulgar o acervo documental sobre a escravidão no estado do Rio Grande do Sul, abrangendo os séculos XVIII e XIX.
QUADROS DISTANTES DE UMA IDENTIDADE: RECUPERAÇÃO DE ACERVO REFERENTE À IMIGRAÇÃO JUDAICA EM PERNAMBUCO
Protocolo: 4280
Proponente: Arquivo Histórico Judaico de Pernambuco
Estado do Proponente: PE
Abrangência: PE
Apresentação: Objetiva higienizar, catalogar, digitalizar e divulgar o acervo fotográfico e de outros documentos sobre a migração judaica da Europa para o Brasil, desde 1910, período que antecede à Primeira Guerra Mundial.
IDENTIFICAÇÃO E ACONDICIONAMENTO DOS INVENTÁRIOS POST-MORTEM DO FUNDO JUÍZO DE ÓRFÃOS DE SOBRAL (1708-1976)
Protocolo: 4289
Proponente: Instituto de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Estadual Vale do Acaraú - IADE
Estado do Proponente: CE
Abrangência: CE
Apresentação: Contempla o levantamento, organização, sistematização e acondicionamento dos documentos do Fundo Juízo de Órfãos de Sobral, a fim de fundamentar as pesquisas na área de Ciências Humanas e História, com destaque para os seguintes temas: o papel da família, o adultério, a influência da Igreja Católica, as diferenças sociais, as alforrias de escravos, a burocracia imperial, e muitos outros assuntos, na região.
PROJETO DE EQUIPAGEM DO MUP - MUSEU DA CIDADE DE PATOS DE MINAS
Protocolo: 4383
Proponente: Fundação Cultural do Alto Paranaíba
Estado do Proponente: MG
Abrangência: MG
Apresentação: Projeto de tratamento técnico e revitalização do Museu da Cidade de Patos de Minas, instituição de memória singular. Seu acervo é altamente representativo da história e cultura regionais e conta aproximadamente 1200 peças, vinculadas à história de formação da cidade, artes e ofícios, documentação e fotografias históricas dos séculos XIX e XX.
IDENTIFICAÇÃO E ACONDICIONAMENTO DO ACERVO DOCUMENTAL DA CASA COMERCIAL BORIS FRÈRES (1869-1969)
Protocolo: 4510
Proponente: Associação dos Amigos do Arquivo Público do Estado do Ceará
Estado do Proponente: CE
Abrangência: CE
Apresentação: Trata da gestão documental e da conservação preventiva do acervo da Casa de Comércio Boris Frères, que ficou conhecida no Ceará pela vasta atuação no comércio, indústria, finanças e outras esferas econômicas.
ACERVO ABDIAS NASCIMENTO - ACESSANDO A HISTÓRIA E A CULTURA AFRO-BRASILEIRA
Protocolo: 4604
Proponente: IPEAFRO - Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros
Estado do Proponente: RJ
Abrangência: RJ
Apresentação: Projeto de tratamento técnico do acervo arquivístico e museal, atualmente sob guarda do IPEAFRO. Abdias Nascimento (SP, 1914), foi o principal expoente e ativista da cultura afro-brasileira do século XX, tendo dedicado a vida a romper barreiras da discriminação e do preconceito racial.
http://www2.petrobras.com.br/cultura/ppc/edicao/resultados/resultados_museus.asp

quarta-feira, julho 04, 2007

RODRIGO MELO FRANCO DE ANDRADE 2007

Divulgado o resultado dos sete vencedores do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade 2007. A entrega da premiação - composta de um troféu, um certificado e R$ 14 mil (a serem descontadas as obrigações tributárias) - será no dia 17 de outubro, na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional Cláudio Santoro, em Brasília.

Lista dos premiados, por categoria:

Apoio Institucional e/ou Financeiro
Ação vencedora: Escola de Artes Moinho Cultural Sul-Americano
Proponente: Instituto Homem Pantaneiro (MS)

Divulgação
Ação vencedora: Museu do Ceará: História, memória e patrimônio cultural
Proponente: Associação Amigos do Museu do Ceará (CE)

Educação Patrimonial
Ação vencedora: Projeto de Atendimento Educativo 2º, 3º e 4º Ciclos
Proponente: Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville – Fundação Cultural de Joinville (SC)

Pesquisa e Inventário de Acervos
Diretrizes para a Área de Especial Interesse Cultural Sítio Charqueador Pelotense
Proponente: Ester Judite Bendjouya Gutierrez, de Pelotas (RS)

Preservação de Bens Móveis e Imóveis
Ação vencedora: Obra de Restauração da Igreja Matriz de Pirenópolis/GO
Proponente: Sociedade dos Amigos de Pirenópolis (GO)

Proteção do Patrimônio Natural e Arqueológico
Ação vencedora: GeoPark Araripe
Proponente: Universidade Regional do Cariri (CE)

Salvaguarda de Bens de Natureza Imaterial
Ação vencedora: A memória na fala dos mestres de cultura de Icoaraci/PA
Proponente: Movimento da Vanguarda da Cultura de Icoaraci, Belém (PA)

A matéria completa poderá ser lida no site do MINC / IPHAN.

Nova polêmica?

Nova polêmica

Projetos culturais inscritos na Leide Incentivo de Goiânia estão sem comissão própria de avaliação

Goiânia, 04 de julho de 2007. Por Edson Wander para o caderno MAGAZINE, jornal O POPULAR.
Venceu na semana passada o prazo dado pelo Ministério Público de Goiás para que o prefeito Iris Rezende se pronunciasse sobre a extinção da Comissão de Projetos Culturais (CPC). É que no final de março, o prefeito baixou o decreto nº 649/2007 que suprimiu todos os artigos que tratavam do funcionamento da comissão, instituída também por decreto que regulamentou a lei que criou o Conselho Municipal de Cultura, em 2003.

Na prática, o decretou acabou deixando o destino dos projetos culturais inscritos para se beneficiar da Lei de Incentivo à Cultura da capital sob a decisão do titular da Secretaria Municipal de Cultura, Kleber Adorno. O ofício nº 141/07 assinado pelo procurador Humberto Machado solicitava ao prefeito a revogação do decreto e a retomada dos artigos 2º ao 11º do decreto anterior, de nº 973/2003, que criou a comissão como uma câmara deliberativa do Conselho Municipal de Cultura.

O promotor Humberto Machado agiu provocado pela Federação de Teatro de Goiás (Feteg) e a Associação Goiana de Cinema e Vídeo (AGCV), que fizeram representação no MP para que a questão fosse resolvida. A preocupação das entidades aumenta devido ao fim do prazo de inscrições dos projetos culturais ter se encerrado há 15 dias e não haver publicidade sobre quem fará a avaliação deles. “Ficamos sabendo por terceiros que o secretário criou internamente uma comissão para avaliar os projetos, ou seja, é uma coisa que ficará à mercê dos interesses políticos dele”, acusa Norval Berbari, presidente da Feteg.

O secretário Kleber Adorno disse ao POPULAR que não responderia às críticas das entidades e informou já ter pronto um novo decreto que recria a Comissão de Projetos Culturais. “Está com o prefeito, só falta a assinatura dele para a publicação”, afirmou o secretário, dizendo que a comissão seria recriada “mantendo a participação das entidades”. O secretário justificou o decreto do prefeito como “correção de uma ilegalidade porque ele regulamentava uma lei diversa, que não dizia respeito diretamente à CPC”, disse.

Kleber Adorno, no entanto, não soube dizer quando o decreto seria publicado nem detalhou a forma de constituição da comissão. Em conversa com a reportagem pelo celular, também não soube dizer o prazo que a comissão tem para avaliar os projetos “por estar fora da secretaria”, mas garantiu que “está tudo dentro do prazo”. O prazo previsto é de 60 dias, prorrogável por mais 30.

Controvérsia
A discussão das entidades do Fórum Permanente de Cultura (integrado por entidades, produtores e artistas) de Goiânia com o secretário Kleber Adorno remonta ao início da gestão dele à frente da Secult. Em junho de 2005, o prefeito publicou um decreto que promoveu mudanças significativas na regulamentação do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), criado em 2003. Pelo novo texto, cabe ao secretário a atribuição de apreciar o mérito dos projetos oriundos do Executivo, premissa antes dada ao Conselho Municipal de Cultura.

Além disso, o decreto eliminou a proibição aos servidores públicos municipais vínculados à administração do setor cultural de concorrerem ao apoio. O FAC é um fundo constituído de recursos da administração direta formado por 0,5% da receita anual do ISS e IPTU, o que dá em torno de R$ 2 milhões em recursos destinados à ações culturais na capital.

Mas o embate mais grave veio no final de 2005, quando o fórum conseguiu na Justiça anular a realização da 3ª Conferência Municipal de Cultura sob críticas de “manipulação” na constituição dos novos membros do Conselho Municipal de Cultura. O fórum conseguiu uma liminar anulando a conferência, mas ela foi derrubada em seguida pela Secult sob alegação de que Goiânia precisava nomear representantes para participar da Conferência Nacional de Cultura. Mas o próprio Ministério da Cultura acabou invalidando a conferência para efeito de nomeação de representantes ao evento nacional. O caso aguarda pelo chamado duplo grau de jurisdição do Tribunal de Justiça de Goiás, em relatoria sob os cuidados do desembargador Zacarias Neves Coelho.Eládio Garcia Sá Teles, presidente da Associação Goiana de Cinema e Vídeo, diz que o decreto nº 649/2007, que extinguiu a Comissão de Projetos Culturais, coincide com a citação à Secult feita pelo MP. “O secretário, ao invés de responder à citação, pediu mais prazo que coincidentemente acabou no final de abril, quando fomos surpreendidos com o decreto do prefeito que extinguiu a comissão”, criticou.

A assessoria do MP disse que o promotor Humberto Machado será substituído no caso por motivos pessoais e que o novo titular tomará as medidas cabíveis para obter a resposta do prefeito.

Essa é para pensar: Qual força oculta faz com que um juiz, declare motivos pessoas para julgar, em primeira instância, o pedido de liminar proposto pela FETEG, o caso da fraude da CONFERENCIA MUNICIPAL DE CULTURA?
Será essa mesma força oculta que afasta o promotor Umberto Machado?
Será a mesma força oculta que favorece a morosidade e estranho andamento do processo em 2º Grau? Para os mais curiosos e observadores o nº do processo é 200602567151.
A polêmica não é nova, é velha, tão velha que depois de um ano que saiu a sentença de 1º grau, a mesma ainda não foi executada e tudo continua como dantes ...e pior, por que agora, a política cultural municipal "é dando que se recebe". Nem a Igreja Universal e seu bispo senador, ou senador bispo Marcelo Crivella foi tão longe.
Óleo de Peroba, nesses casos, não resolve para lustrar a cara de pau de uns e outros, e claro da força oculta também.

segunda-feira, junho 11, 2007

World Monuments Fund

Rua Descoberto

Rua Descoberto
Museu Municipal Angelo Rosa de Moura
Pesquisa arqueológica realizada na região

Sítio histórico de Porangatu (GO) na lista da WMF dos bens com valor cultural em perigo no mundo.


Goiânia, 11/06/2007 – O sítio histórico de Porangatu – GO, o antigo Arraial do Descoberto da Piedade, encontra-se entre os cem sítios de alto valor cultural que correm perigo no mundo e entre os dezesseis selecionados na América Latina pela WMF.


Na quarta-feira, 06 de junho, a WMF - World Monuments Fund- tornou pública a lista de 2008 dos 100 bens de valor cultural relevante e que encontram-se em situação de risco. A lista é o resultado de um painel internacional de especialistas em arqueologia, arquitetura e história da arte. Para elaboração da lista, os especialistas basearam suas decisões em três critérios: relevância da importância cultural do sítio, urgência da ameaça e viabilidade de uma eventual solução.


"A lista de 2008 mostra claramente que a atividade humana se tornou a maior ameaça contra a preservação da herança cultural" no mundo, advertiram os especialistas em suas conclusões. A contaminação provocada pelos humanos corrói as pedras antigas. O turismo globalizado leva hordas de pessoas a sítios desprotegidos. As cidades crescem às custas de centros históricos. As guerras destroem sítios únicos. Pela primeira vez, os especialistas citam a mudança climática como um dos fatores que ameaçam o patrimônio cultural e dão como exemplo os estragos causados pelo furacão Katrina, em 2005, na mal protegida Nova Orleans.

Também corre risco a famosa rota 66, dos Estados Unidos, outrora única via importante entre as costas leste e oeste, que abriga locais de arquitetura curiosa como seus velhos motéis, escalas da "road trip" ideal.

Na América Latina, o Peru se destaca com as ruínas de Machu Picchu, dizimadas pelo turismo "descontrolado", os vestígios de Macusani e Corani, e o centro o histórico de Lima, "onde centenas de monumentos e milhares de residências estão abandonadas e ameaçam desmoronar".

Também no Peru, os terraços de Laraos, o mosteiro de Santa Catalina e o esplendor barroco de São Pedro Apóstolo de Andahuaylillas, perto de Cuzco, agonizam sob os estragos das atividades humanas.

O bairro histórico Huaca, do porto mexicano de Veracruz, que data de 1870 e abrigava trabalhadores migrantes fora dos muros da cidade, está ameaçado pela especulação imobiliária e a deterioração, segundo os especialistas.

A indústria da tequila, orgulho do estado mexicano de Jalisco, põe em risco a zona arqueológica Teuchitlán e Machimontones, que encerra segredos sobre uma das civilizações mais antigas do continente.

Completam a lista as ruínas mexicanas de Montealbán e as missões coloniais de Chihuahua, o palácio dos Capitães Gerais, na Guatemala, a cidade de Falmouth, na Jamaica, a sinagoga Brener, em Buenos Aires, e a estação de Biologia Marinha de Montemar, em Valparaíso (Chile), "uma obra-prima da arquitetura sul-americana", cujo belo desenho está ameaçado por planos de renovação.

E ameaçado pelo descaso e a especulação imobiliária o sítio histórico de Porangatu.

O sítio histórico de Porangatu- GO teve a sua inscrição encaminhada pela ONG KULTUR como resultado do seminário “Porangatu: Planejamento e Patrimônio Cultural” ocorrido entre 14 e 15/11/06, e promovidos pela AGEPEL, Prefeitura de Porangatu, e ainda contou com os apoios da Câmara Municipal de Porangatu que abrigou o seminário e ainda transmitiu via Radio e WEB TV Câmara Porangatu, e da KULTUR.

Os painéis de discussões, do seminário envolveram as ações relacionadas ao Plano Diretor da cidade, as formas de ocupação do norte goiano, legislação para preservação de patrimônio cultural e a apresentação do projeto ‘Descobrindo o Descoberto” que tem como principal objetivo o levantamento das referências culturais – material e imaterial. Esse projeto conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Porangatu e o desenvolvimento da ONG Kultur – Cultura, Educação e Meio Ambiente, que ao longo dos últimos três anos se dedicando ao estudo do local e a implantação dos projetos de recuperação e educação, tendo a frente a especialista em Gestão de Patrimônio Cultural Integrado – ITUC – AL Deolinda C. Taveira Moreira, o mestre em Geografia Felippe Jorge Kopanakis - filhos de Porangatu, e a arqueóloga Margareth de Lourdes Souza, além do apoio técnico do arquiteto e mestre André Pina, da Prefeitura de Olinda.

PORANGATU
Porangatu distante 393 quilômetros de Goiânia, no extremo norte goiano e com uma população de 41.000 habitantes é um cidade pólo na região norte do Estado. Nas suas origens Porangatu nasceu no antigo Arraial do Descoberto da Piedade na época da mineração e a sua história é contada em prosa como a lenda de Angatu.

A partir de 1943 o Descoberto torna-se Porangatu e foi elevado a comarca em 1948, dando início a construções importantes para o processo de modernização da cidade, tais como, o cemitério, a cadeia pública, escolas, Prefeitura e Fórum. Após a aquisição de uma área de 100 alqueires, entre os anos de 1953 e 1957, a prefeitura dá inicio a ampliação da parte nova da cidade e a cidade velha vai ficando esquecida.


A vida cultural da cidade nessa época gira em torno da Casa Jaguatirica e da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Piedade. A Casa Jaguatirica, cujo proprietário, Ângelo Rosa de Moura era tido como místico e empreendedor, organiza eventos e promove a comunicação local. Atualmente o espaço é um museu municipal de arqueologia.

Muito cedo, os gestores públicos e a população deram-se conta da necessidade de preservar o seu patrimônio cultural e arquitetônico, já ameaçado com o crescimento acelerado promovido pela construção da BR-153. É promulgada então a Lei Municipal Nº590/84, que declara patrimônio histórico a área da “cidade velha”.

Todavia a existência da Lei por si só não garantiu a preservação do sítio histórico do Descoberto. Ao longo do tempo comprovou-se que associado a intervenção “destrutiva e modernizadora” dos proprietários no sítio histórico, a omissão do poder público foi fundamental para a descaracterização e demolição de muitos imóveis, mantendo-se intacto apenas o traçado urbano original.

No final dos anos 90, a administração pública inicia um movimento de valorização das festas, do espaço urbano e arquitetônico local e promove a restauração da velha Igreja Matriz de Nossa Senhora da Piedade.

No desenrolar dessas ações o Museu Ângelo Rosa de Moura é instalado na antiga Casa Jaguatirica, abrigando, provisoriamente, o acervo arqueológico resultante de pesquisas realizadas na região norte de Goiás.

O museu é o primeiro passo para se pensar o sítio histórico como parte da cidade que merece atenção especial. Alguns marcos importantes da cidade, tais como a antiga Igreja Matriz, a Cadeia velha, o Fórum, o casario da Praça Velha e adjacências, as construções art-déco na Av. Floriano Peixoto, assim como as áreas que deveriam ser de preservação ambiental – Lagoa Grande e nascentes de cursos d’água, adjacências do cemitério - demonstram claramente que a gestão da cidade dar-se-á no presente e para o futuro em dois eixos: planejamento urbano e preservação do patrimônio cultural.


WMF - World Monuments Fund Watch
A World Monuments Fund (WMF) é a mais importante organização privada, sem fins lucrativos, dedicada à preservação de lugares da herança cultural de todo o mundo. Através da sua lista bienal World Monuments Watch - 100 Most Endangered Sites, a WMF (www.wmf.org) chama atenção internacional para os perigos que ameaçam os lugares com significado histórico, artístico e arquitetônico.

A presença na lista World Monuments Watch estimula autoridades locais e comunidades a tomarem um papel ativo na proteção do seu patrimônio cultural e, quando necessário, ajuda também a angariar fundos para a sua salvaguarda.

Os monumentos são selecionados, de entre as várias candidaturas apresentadas, por um painel de peritos mundiais, incluindo representantes da UNESCO ("United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization") e do ICOMOS ("International Council on Monuments and Sites").

A inclusão do Sítio Histórico de Porangatu na lista dos 100 locais históricos mais ameaçados do mundo é um portal de visibilidade às organizações ligadas a preservação do patrimônio histórico no mundo, e um alerta aos administradores públicos que devem, urgentemente, desenvolverem políticas públicas que valorizem e resgatem a história de suas comunidades.

As informações sobre a lista, bem como o mapa dos 100 locais do mundo, podem ser conferidos no endereço http://www.worldmonumentswatch.org/

Qualquer informação adicional, Felippe Jorge (9102-8445) quanto Deolinda Taveira (9637-1985 – 8439-1032) ou pelo e.mail culturagoiania@terra.com.br .

quarta-feira, junho 06, 2007

ANIVERSÁRIO



08 de junho é o aniversário de um ano da sentença que anula a 3ª CONFERENCIA MUNICIPAL CULTURA DE GOIANIA e também completam-se seis meses que o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, vagarosa e calmamente analisa o processo. Por que será?

segunda-feira, junho 04, 2007

Lei Rouanet para IURD

Quem será o senador que irá propor um projeto de lei para obrigar o uso de óleo de peroba na cara de pau do bispo-senador ou vice versa Marcelo Crivella ?
Felipe Corazza Barreto entrevista Marcelo Crivella

Terra Magazine - Qual é o objetivo da proposta?
Marcelo Crivella - É dar condições às igrejas históricas de receberem investimentos de empresas e pessoas jurídicas dentro do benefício da Lei Rouanet para a reforma desses prédios.

Quais seriam as igrejas "históricas"?Igrejas históricas, no Brasil, são aquelas que chegaram nos séculos passados. A Igreja Católica, que está aqui desde o século XVI, as protestantes são a Metodista, Presbiteriana, Congregacional e Batista. Essas são igrejas que começaram a construir há muitos anos e têm prédios tombados pelo Iphan.

Então é apenas para igrejas mais antigas?Isso, como Congonhas (do Campo, em Minas Gerais), aquelas coisas lá dos profetas...

Do Aleijadinho...Isso, do Aleijadinho. Houve um mal-entendido porque eu sou bispo e a minha igreja é muito jovem, a Universal, e cresce muito, que o projeto beneficiava a Igreja Universal, mas não é. A igreja tem 30 anos, nem tem obras históricas para serem restauradas.

A Igreja Universal não vai ser beneficiada pelo projeto? Não. No futuro, sim. Daqui a 100 anos, sim. Mas no presente não. Então houve essa confusão, "ah, está desviando recursos da lei da Cultura". Mas as obras de Aleijadinho, que estão lá expostas ao tempo, aquilo não é cultural, meu Deus?

Então há um limite para a lei?Existe. O projeto altera o artigo que diz que poderão contar com recursos da Lei Rouanet bibliotecas, arquivos e museus. Eu incluí templos religiosos. A lei tem 43 artigos. Quem continuar lendo a lei verá que só poderão receber recursos para reformas os museus, arquivos e bibliotecas que estejam tombadas pelo patrimônio histórico do Brasil. Eu incluí ali as igrejas que também estejam tombadas. http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1666396-EI6578,00.html

E mais essa!
Lei Rouanet para a Igreja Universal?


Segunda, 4 de junho de 2007, 08h09
Milton Hatoum
A insensatez não tem limite. Insensatez? Melhor seria dizer: oportunismo. Pesquei no site do Ministério da Cultura essa notícia assinada por Adriana Vasconcelos e publicada no jornal O Globo (18/04/2007).
"O Senado está a um passo de aprovar um projeto de lei, de autoria do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), que inclui as igrejas entre as beneficiárias do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). Mais conhecido como Lei Rouanet, aprovado em 1991 pelo Congresso Nacional, o Pronac permite que empresas invistam em projetos culturais até 4% do equivalente ao Imposto de Renda devido.
- Nada expressa melhor a formação de nossa cultura que o caldeamento das diversas religiões, seitas, cultos e sincretismos que moldaram o processo civilizatório nacional - argumenta Crivella, sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus."
O senador-bispo (ou bispo-senador) recorreu a um arremedo da tese de Gilberto Freyre para justificar seu projeto de lei. Na verdade, distorceu as idéias do sociólogo pernambucano para legislar em prol de sua Igreja.
Nossa cultura não é fruto de um caldeamento de diversas religiões, nem este moldou o processo "civilizatório" (sic) nacional. A mestiçagem da sociedade brasileira não se embasa na mistura de religiões e sim na de várias etnias (africanas, indígenas e ibéricas) durante mais de três séculos de colonização. A partir da segunda metade do século XIX, milhões de imigrantes da Europa, do Oriente Médio e da Ásia se integraram à sociedade brasileira.
Um cristão, muçulmano, judeu, protestante, budista ou filho de um Orixá não se considera um brasileiro - pertencente a uma sociedade mestiça - por ser religioso. Se há um ethos nacional (ou alguns traços e características comuns que definem a alma brasileira), este certamente não se encontra na religião. Afirmar que o processo "civilizatório" nacional se deve às religiões é apenas o exercício vulgar de um sofisma primário, em que uma aberração pretende passar por uma verdade. O bispo-senador pode pregar sofismas a seu rebanho de crentes, mas não pode inocular seus interesses de chefe religioso num Estado laico como o Brasil.
Usar uma parte do imposto de renda de empresas em templos religiosos é uma afronta à Constituição. O imposto repassado ao Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) deve ser destinado a atividades artísticas, sobretudo à criação, restauração e ampliação de museus, arquivos, bibliotecas e também do nosso patrimônio histórico-arquitetônico.
II
O leitor talvez se lembre de um escândalo recente, conhecido como "Dizimão", que envolveu um político da Igreja Universal. Isso aconteceu em julho de 2005. Com uma manchete irônica e de ressonância bíblica - A multiplicação das malas -, o jornalista Demétrio Weber escreveu no jornal O Globo (12/7/2005):
"A Polícia Federal apreendeu ontem sete malas com R$ 10.202.690 em dinheiro vivo num avião da Igreja Universal do Reino de Deus que se preparava para decolar de Brasília para Goiânia e São Paulo. Dentro do jato estava o deputado federal e presidente da Universal, João Batista Ramos da Silva (PFL-SP). Ele disse que o dinheiro foi arrecadado com fiéis e que seria depositado numa conta do Banco do Brasil em São Paulo. Até o início da noite, porém, a PF não estava convencida sobre a legalidade da origem dos recursos e decidiu transferi-los para uma agência bancária onde ficariam à disposição da Justiça."
Nessa mesma reportagem, o deputado-pastor declarou:
"A Universal tem de 150 a 200 igrejas por estado, com média de 500 fiéis cada uma, número que pode chegar a cinco mil nas catedrais. Se cada um contribui com R$ 20, R$ 10 milhões não é nada - afirmou João Batista."
Se para a Igreja Universal R$ 10 milhões não é nada, então ela tem dinheiro de sobra para investir em seus templos, alguns dos quais construídos sobre ruínas de belos cinemas históricos. Em vez de querer usar para a sua Igreja os benefícios de uma lei destinada à arte e à cultura do país, o bispo-senador Marcelo Crivella deveria pensar na carência educacional e cultural de milhões de brasileiros pobres. Ou será que o imenso rebanho de crentes não merece ler textos literários consistentes, freqüentar bons museus, assistir a peças de teatro e a shows de música e dança?
III
Sabe-se que esse projeto de lei já foi aprovado pela Comissão de Educação e agora deve ser votado no plenário do Senado. Milhares de brasileiros já assinaram uma petição contra esse absurdo. Resta saber se o Estado laico será derrotado pela insensatez de certos políticos que apóiam o projeto do bispo-senador.
http://www.petitiononline.com/cult2007/petition.htm
Milton Hatoum é escritor, autor dos romances Dois Irmãos, Relato de um Certo Oriente e Cinzas do Norte.
Fale com Milton Hatoum: milton.hatoum@terra.com.br
Terra Magazine
http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1664631-EI6619,00.html"http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1664631-EI6619,00.htmlhttp://terramagazine.terra.com.br/ultimas/0,,EI6619-SUM,00.html

Petição On line

Já são mais de 18 mil assinaturas! Vá lá você também!

We endorse the Não à Lei Rouanet para "Templos Religiosos" Petition to Congresso Nacional do Brasil.
Read the Não à Lei Rouanet para "Templos Religiosos" Petition

domingo, maio 27, 2007

MEMÓRIA DO CÉSIO 137

Excelente entrevista no JORNAL OPÇÃO sobre o acidente radioativo de Goiânia.
O repórter Weber Borges, em 1987 ousou desafiar o presidente Sarney a visitar Goiânia, acompanhado de Dona Marly, por ocasião do acidente com o césio 137 e foi demitido sumariamente. Depois de 20 anos, Weber Borges ainda questiona o fato evidente que a cidade não mudou, pouco se fala sobre o assunto e de quebra, toda a sujeira foi varrida para debaixo do tapete. Ou melhor, para debaixo do Centro de Convenções de Goiânia.
A entrevista vale a pena ser lida e apreciada como um excelente vinho e analisada com cuidado. Até quando continuaremos a viver uma Goiânia de faz de conta? O que aprendemos com os acontecimentos?


"O jornalista que foi vítima do césio

Repórter atento, convocou o então presidente José Sarney, durante o programa de Hebe Camargo, e foi demitido pela rede de televisão dirigida por Silvio Santos. Dono de um acervo gigante sobre o acidente radioativo de Goiânia, o jornalista diz que a universidade precisa discutir mais o legado científico do acidente provocado pelo césio.

Aos 62 anos, Weber Borges é um jornalista experimentado e paciente. Em 1987, com 42 anos, era mais afoito, mas já era experiente. Diretor do programa Goiânia Urgente, da TV Goiá, então retransmissora da programação do SBT de Silvio Santos, descobriu, meio por acaso, que o acidente radioativo de Goiânia, conhecido também como “acidente do césio”, estava sendo “escondido” da opinião pública. Na verdade, percebeu o repórter atento, que tem o hábito de filmar quase tudo, que o governador Henrique Santillo, o secretário da Saúde, Antônio Faleiros, ambos médicos, e técnicos do governo ainda não sabiam exatamente o que havia acontecido, em setembro de 1987. Só com a presença de técnicos da Comissão Nacional de Energia Nucler na capital, como José Júlio Rozenthal, que hoje mora em Israel (trabalha na área nuclear do governo judeu), é que começou-se a dimensionar com mais precisão o acidente. No início, nem mesmo os técnicos entenderam direito o que estava acontecendo — daí Weber Borges dizer que houve também outro grave acidente: o da desinformação. Muitos técnicos andaram pelos locais afetados pela radioatividade sem nenhuma proteção, percebeu o olhar agudo de Weber Borges. Autor de um livro seminal para se entender o acidente, Eu Também Sou Vítima — A Verdadeira História Sobre o Acidente com o Césio 37 em Goiânia (editado de modo mais criterioso, extirpando os erros provocados talvez pela pressa, teria sido best seller), Weber Borges é, por assim dizer, também uma vítima do césio. Não que tenha sido contaminado pela radioatividade. Foi, digamos, sacrificado pela TV Goiá. Motivo: presente no programa de Hebe Camargo, convidado a aproveitar os 30 segundos finais, Weber Borges soltou o verbo e disse que o presidente José Sarney (aquele do bigode e do jaquetão), no lugar de visitar a Colômbia, que não sairia do lugar, deveria visitar Goiânia, para verificar, pessoalmente, a extensão do acidente. Língua solta, o jornalista acrescentou que deveria trazer a mulher, Marly, para provar que, apesar do acidente, a capital goiana não oferecia riscos. Resultado: Sarney veio, sim, mas Weber Borges perdeu o emprego. Comentou-se na época que Silvio Santos, informado pelo Palácio do Planalto, teria ficado chateado com a impertinência do jornalista. Era preciso punir o senso de oportunidade do repórter. Portanto, indiretamente, Weber Borges é uma vítima do césio. Dono de excelente acervo de documentos do césio, Weber Borges conta que ele tem sido pouco consultado. Embora não tenha noção precisa do que se produz academicamente, diz que a universidade precisa discutir, com mais freqüência, o legado científico do acidente radioativo. Na próxima edição, o Jornal Opção publica a segunda parte da entrevista. " CONTINUA

Fonte: JORNAL OPÇÃO http://www.jornalopcao.com.br/index.asp?secao=Entrevistas&idjornal=239

sexta-feira, maio 18, 2007

V Encontro do ICOM Brasil

Realização é do Demu/Iphan, do ICOM Brasil e do Fórum de Museus de Pernambuco

De 22 a 25 de maio, em Recife, o V Encontro do ICOM Brasil terá como tema Museus e Patrimônio Universal. A iniciativa é do Departamento de Museus e Centros Culturais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Demu/Iphan), em parceria com o Conselho Internacional de Museus (ICOM) e o Fórum dos Museus de Pernambuco. As inscrições para o evento - que vai contar com conferências, debates e painel - podem ser feitas até o dia da abertura.

O V Encontro do ICOM Brasil visa a divulgação das missões, ações e iniciativas do Comitê Brasileiro do ICOM para os profissionais e entidades da área museológica do Norte e Nordeste. O objetivo é descentralizar sua atuação e ampliar a representatividade nas regiões, além de congregar profissionais de museus e áreas afins para troca de experiências e informações no âmbito das ações museológicas, numa reunião coordenada pelo ICOM Brasil e o Fórum dos Museus de Pernambuco. Dentro do mesmo encontro, o Demu/Iphan e o Fórum dos Museus de Pernambuco vão organizar a reunião preparatória para o IX Fórum Nordestino de Museologia.

E será realizada, ainda, uma sessão dos comitês do ICOM para a preparação dos documentos a serem apresentados na Conferência Geral do ICOM em Viena, prevista para agosto.Confira a programação.A ficha para inscrição está disponível no site www.forumdosmuseusdepernambuco.com.br.

O V Encontro do ICOM Brasil acontecerá no Auditório Benício Dias, do Museu do Homem do Nordeste, da Fundação Joaquim Nabuco.

Fonte:(Texto: Carolina Mazzaro)(Edição: Carol Lobo)(Comunicação Social/MinC)

Só para lembrar hoje é o dia internacional dos museus.

quinta-feira, maio 17, 2007

Goiás fortalece os museus goianos.

O tempo anda curto e o blog é quem está pagando o pato ou melhor, desatualizado mesmo!

Mas aguardem, brevemente um texto sobre o andamento do projeto do Senador Crivella, a entrevista do Roberto Mangabeira Unger, Secretário Especial de Ações de Longo Prazo, que afirma que não é museu e outra fofocas do cenário cultural goiano.

Hoje limito-me a informar que o site da AGEPEL http://www.agepel.go.gov.br/index.html consta que o Governo do Estado de Goiás irá fortalecer os museus goianos.

“Linda Monteiro anuncia medidas para fortalecer museus

A presidenta da Agência Goiana de Cultura (Agepel) Linda Monteiro anuncia nesta quinta-feira, 17 de maio, a criação de um grupo de trabalho que vai atuar na revitalização dos seis museus da Agepel e na orientação das ações dos centros culturais das cidades goianas que tem acervos sob sua guarda. O anuncio vai ser feito às 9 horas, no Museu Pedro Ludovico, na presença do ex-governador Mauro Borges como parte das comemorações da Semana Nacional dos Museus que estão sendo realizadas em todo o País, em parceria com o Departamento de Museus/Iphan do Ministério da Cultura.

A decisão de revitalização dos museus foi tomada pela presidenta logo que assumiu o cargo na Agepel, em março último. Linda Monteiro solicitou um diagnóstico sobre a situação em que se encontravam os acervos e os espaços que abrigam os museus e os centros culturais do Estado. Com o diagnóstico preliminar em mãos, ficou definida a intervenção imediata no acervo do Museu Pedro Ludovico, composto de documentos pessoais (850 itens), livros (500 livros), mobiliário (2000 peças) doados, juntamente com o imóvel, pela família do fundador de Goiânia, Pedro Ludovico Teixeira, em 1979.“
A noticia pode ser lida na integra site.

Linda Monteiro, feminista de carteirinha, assume pela segunda vez o cargo de presidenta da AGEPEL que anteriormente era uma Fundação. E em sua primeira gestão foi criticada por optar por se preocupar com o patrimônio cultural edificado. E essa vem sendo a maior crítica a sua atuação.

Para quem atua na área do Patrimônio, as expectativas são muitas e as esperanças estão renovadas de que finalmente, o acervo cultural do Estado de Goiás receba a atenção necessária. Menos eventos e mais ações permanentes.