Ocorreu um erro neste gadget

domingo, maio 09, 2010

FÓRUM PERMANENTE DE CULTURA

Se você sempre teve vontade de fazer e nunca fez, faça agora, vamos nessa! Cultura sempre!

MOBILIZAÇÃO SUPRAPARTIDÁRIA PARA O FÓRUM PERMANENTE DE CULTURA

Estamos mobilizando toda a classe artística de Goiás e a sociedade para retomar as
atividades do Fórum Permanente de Cultura com o objetivo de publicar um manifesto
em defesa da cultura e estabelecer uma pauta de reivindicações para intervir junto aos
poderes constituídos e no processo eleitoral de 2010.

O Fórum Permanente de Cultura é um movimento que surgiu em Goiânia no final dos
anos 90 e teve como principal resultado de luta a aprovação das leis de incentivo a
cultura em Goiânia e em Goiás. À época, o movimento se reunia todas as terças-feiras
no Centro Cultural Martim Cererê onde planejava ações políticas e exercia o debate
permanente em defesa da cultura.

É hora de retomada. Nosso objetivo agora é defender a cultura como política pública
prioritária, publicando um manifesto em defesa dos trabalhadores da cultura e da arte
e apresentando nossa pauta de reivindicações junto aos poderes constituídos e para o
processo eleitoral de 2010.

SUGESTÃO DE PAUTA DEFINIDA NA COMISSÃO PROVISÓRIA DE MOBILIZAÇÃO
REUNIDA EM 02 DE MAIO DE 2010, NA VERBOCERRADO COMUNICAÇÃO.

1) POR MAIS VERBAS PRA CULTURA; AUMENTO DO FUNDO DE CULTURA
PARA UM PATAMAR DIGNO NOS PODERES MUNICIPAL, ESTADUAL E
FEDERAL.

2) PELA OCUPAÇÃO PLENA E URGENTE DOS ESPAÇOS PÚBLICOS
DESTINADOS A ATIVIDADES CULTURAIS COM AÇÕES FINANCIADAS
PELOS PODERES PÚBLICOS E OFERTADAS À SOCIEDADE.

3) PELA REVITALIZAÇÃO E OCUPAÇÕA PLENA DE TODOS OS ESPAÇOS
PÚBLICOS DE CULTURA EM CONDIÇÕES DE ABANDONO.

4) PELA INTERIORIZAÇÃO DA CULTURA COMO FORMA DE PROMOVER O
ACESSO AO CONHECIMENTO E GARANTIR O DIREITO A MANIFESTAÇÃO
ARTÍSTICA EM BAIRROS, ORGANIZAÇÕES COMUNITÁRIAS E TODAS AS
PEQUENAS CIDADES DO NOSSO ESTADO E DO NOSSO PAÍS.

REUNIÃO DE INSTALAÇÃO DO FÓRUM

SEGUNDA FEIRA, DIA 10 DE MAIO, ÀS 19 HORAS,
NO IFG (ANTIGO CEFET , ANTIGA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE GOIÁS, AO LADO DO MUTIRAMA.

quarta-feira, maio 05, 2010

SEMANA DE MUSEUS EM GOIÁS

Goiânia, 5 de maio de 2010

Prezado(a) Colega

Vimos informar sobre a programação da Semana de Museus do Estado de Goiás e sobre o adiamento da oficina Gestão e Documentação de Acervos que estava programada para a cidade de Goiânia. Devido a ajustes de agenda com o IBRAM, parceiro na realização nas ações de capacitação em todo o país, a oficina deverá ser realizada ainda neste semestre em data a ser definida e informada ao(a) senhor(a).

Informamos ainda que a outra oficina Museu Memória e Cidadania programada para o Estado de Goiás para o mês de maio está confirmada e acontecerá na cidade de Jataí, nos dias 19, 20 e 21 deste mês. As inscrições já estão abertas e poderão ser feitas através do telefone do Museu Histórico de Jataí (64) 3632-4049 ou pelo email museuhistoricojatai@gmail.com.

Além da oficina em Jataí, dezenas de outras atividades estão programadas para a Semana de Museus 2010 nos diversos museus privados e públicos estaduais, federais e municipais de Goiás conforme a programação que encaminhamos abaixo. Participe!
Atenciosamente

Tânia Mendonça
Diretoria de Patrimônio Histórico e Artístico
Coordenação de Museus da Agepel

Confira a programação:

CIDADE DE BRITÂNIA

MUSEU DE ARTE - MABRI
Avenida Perimetral, s/n – Orla do Lago dos Tigres - Centro
britaniaprefa@hotmail.com Tel:(62) 3383-1461 (62) 8468-7456
01/06/2010 a 30/06/2010 - 08h às 17h
Exposição Fotográfica sobre a história de Britânia.

GOIÂNIA

CENTRO CULTURAL JESCO PUTTKAMER/PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS
AV. T-3, 1732 – Setor Bueno
centroculturalucg@hotmail.com Tel:(62) 3251-0721
17/05/2010 a 22/05/2010 - 08h às 18h
Exposição – Diálogos Interculturais: Conhecimento e Tecnologia - “BUTUO BDÈÈRYSYNA: conhecimento e interculturalidade”
17/05/2010 a 18/05/2010 - 09h às 11h
Oficina - Teatro de Bonecos: conhecendo o passado através dos objetos (para crianças de 4 a 10 anos de idade)
19/05/2010 - 15h às 17h
Oficina - Teatro de Bonecos: conhecendo o passado através dos objetos (para crianças de 4 a 10 anos de idade)
19/05/2010 a 20/05/2010 - 09h às 11h
Oficina - Cerâmica: manuseando a argila com técnicas utilizadas na pré-história
20/05/2010 - 15h às 17h
Oficina - Cerâmica: manuseando a argila com técnicas utilizadas na pré-história
21/05/2010 a 22/05/2010 - 09h às 11h
Oficina - Arte Rupestre: conhecendo as manifestações artísticas do homem pré-histórico

COORDENAÇÃO DE MUSEUS DA AGEPEL
Rua 82 1º Andar, 400 – Setor Sul
sistemademuseus@agepel.go.gov.br Tel:(62) 3201-5132 (62) 3201-5126
17/05/2010 – 10 horas
Abertura Oficial da Semana de Museus da Agepel
Local: Sala Multimeios do Museu da Imagem e do Som
Praça Cívica nº 2 Centro – 2º Andar

MUSEU ANTROPOLÓGICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
AV. Universitária, 1166 – Praça Universitária – Setor Universitário
museu@museu.ufg.br Tel:(62) 3209-6010 (62) 3209-6375
18/05/2010 - 09h às 11h
Conferência Museus para a Harmonia Social, com
a Profa. Manuelina Maria Duarte Cândido/FCS/UFG
18/05/2010 - 14h às 21h30
Visita guiada à exposição de longa duração Lavras e Louvores

MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE GOIÁS/AGEPEL
Praça Cívica nº 2 - CENTRO
contato@mis.go.gov.br Tel:(62) 3201-4658 (62) 3201-4681
17/05/2010 – 10 horas
Ato de assinatura do termo de doação do acervo Samuel Costa
Local: Sala Multimeios do MISIGO– 2° andar
17/05/2010 – 18:30 h às 20h
Palestra “Alois Feichtenberger - vida e obra” proferida pelo historiador Guilherme Talarico
Local: Cine Cultura - Sala Eduardo Benfica
18/05/2010 a 23/05/2010 - 09h às 17h
Visita monitorada à exposição Mulheres Ritos e Retratos
Local: Sala de Eventos do MIS|GO
17/05/2010 e 18/05/2010 – 08 às 16 h
Sessão de Treinamento Técnico: “Digitalização de fotografias em equipamento modelo Scan Maker i900 Microtec”/ Ministrante: museólogo e fotógrafo Márcio Ferreira, colaborador do Centro de Conservação da Funarte - Rio de Janeiro.
Local: Estação de Trabalho nº 1 do MIS|GO

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA/AGEPEL
Rua 4, 515 - Edifício Parthenon Center Sobreloja – Setor Central
museugo@yahoo.com.br Tel:(62) 3201-4695 (62) 3201-4686
05/03/2010 a 17/12/2010 - 09h às 17h
Visita Monitorada às Exposições do Acervo
Local: Salas de Exposição do Museu de Arte Contemporânea/Agepel

MUSEU ZOROASTRO ARTIAGA
Praça Cívica, nº 13 – Setor Central
museuzoroastroartiaga@agepel.go.gov.br Tel:(62) 3201-4676/ 3201-4676
17/05/2010 a 31/07/2010 - 10h às 17 h
Exposição sobre o momento da Constituinte de 1988 com ilustração do cartunista Jorge Braga

CIDADE DE GOIÁS

MEMORIAL PAULO BERTRAN-INSTITUTO BERTRAN FLEURY
Rua Padre Arnaldo, S/N - Centro
gracafleury@escolapiaget.com.br Tel:(62) 3371-1667
18/05/2010 a 21/05/2010 - 19h30 às 21h30
Concurso com os alunos do Colégio Estadual Alcides Jubé para um ensaio sobre o tema harmonia social na obra poética de Paulo Betran.
Exposição e palestra sobre o resgate das tecedeiras na cidade de Goiás.

MUSEU DAS BANDEIRAS
Praça Brasil Ramos Caiado, SN – Setor Central
muban@iphan.gov.br Tel:(62) 3371-1087
14/05/2010 a 15/05/2010 09h às 17h
Oficina - Harmonizando o social - o profissional de museus como agente ativo no processo de conservação preventiva de acervos museológicos.
Local: Pátio e Salão de Eventos
17/05/2010 a 18/05/2010 19h às 20h30
Palestra -“Harmonia e Conflito - o objeto museal como representação social“ - palestra com a Dra.Maria das Graças Teixeira, professora da UFBA.
Local: Salão de eventos
18/05/2010 a 31/05/2010 20h às 14h
Exposição Temporária “Rondon - um bandeirante contemporâneo em busca da harmonia social”
Local: Salão Vintém de Cobre/Museu das Bandeiras

MUSEU PALÁCIO CONDE DOS ARCOS
Praça Tasso Camargo, N° 1 – Setor Central
palaciocondedosarcos@agepel.go.gov.br Tel:(62) 3371-1200
18/05/2010 a 18/06/2010 09h às 17h
Visitas Monitoradas à exposição de longa duração do
Museu Palácio Conde dos Arcos


CIDADE DE JATAÍ

MEMORIAL JK - JATAÍ
Alameda das Primaveras, S/N - Parque Ecológico JK - Centro
mjk-jatai@hotmail.com Tel:(64) 3632-4137 (64) 3632-4037
17/05/2010 a 19/05/2010 - 09h às 17h
Exposição “55 anos do 1º comício de JK à Presidência em Jataí”.Homenagem aos pioneiros jataienses.
17/05/2010 a 19/05/2010 - 09h às 17h
Exibição de vídeos documentais sobre a trajetória política de Juscelino Kubitschek


MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA/JATAÍ
Rua Castro Alves, 468 - Centro
macjatai@gmail.com Tel:(64) 3632-4048
17/05/2010 - 19h às 21h
Palestra - Arte Contemporânea - com o Júri de seleção e Premiação do 9º Salão Nacional de Arte
19/05/2010 a 28/08/2010 - 20h às 22h30h
Exposição - 9º Salão Nacional de Arte - Jataí - GO
22/05/2010 - 09h às 16h
Oficina Criança Faz Arte - o MAC sob o olhar construtivista das crianças - desenho com interferência

MUSEU HISTÓRICO DE JATAÍ FRANCISCO HONÓRIO DE CAMPOS
Rua José Manoel Vilela, 286 - Centro
museuhistoricojatai@gmail.com Tel:(64) 3632-4049
18/05/2010 - 19h às 21h
Apresentação da Escola Municipal de Música de Jataí
18/05/2010 - 19h30 às 22h
Coquetel de comemoração do 16º aniversário do Museu e lançamento da XII edição do Boletim Informativo do Museu
18/05/2010 - 19h às 21h
Abertura das Exposições: “Infância sem Terra” e “Arte da Liberdade”.
19/05/2010 a 21/05/2010 09h às 12h
Mini-Curso - Museu, Memória e Cidadania - IBRAM
22/05/2010 09h às 11h30
Oficina de pintura para crianças com o artista plástico Ley Silva

CIDADE DE PORANGATU

MUSEU ÂNGELO ROSA DE MOURA
Av. Tiradentes, S/N esquina com Rua Pedro Ludovico – Nossa Senhora da Piedade
diretoriacultural@hotmail.com Tel:(62) 3362-5042 (62) 3362-5095
19/05/2010 - 20h
Abertura Oficial - Apresentação da Banda Municipal, apresentação dos integrantes da Associação Amigos do Museu Ângelo Rosa (AAMAR), abertura das exposições e coquetel.
19/05/2010 a 22/05/2010 - 09h às 17h
Exposição do Acervo Permanente
Exposição de Arte Sacra - Artista Plástico: Lauriston
20/05/2010 - 08h às 09h30
Palestra “Um olhar sobre o Descoberto” - Historiadora: Tatiane Costa e Silva.
20/05/2010 - 09h30
Visita guiada ao Patrimônio Histórico - Profa.Maria de Jesus

CIDADE DE SERRANÓPOLIS

MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL SERRA DO CAFEZAL
Rua Esperidião Quadra 114, Lote 08, Setor Rodoviário
museuserra@hotmail.com Tel:(64) 3668-1114 (64) 9695-3104
17/05/2010 19h30 às 21h
Apresentação da Companhia de Teatro Institucional ”Balaio de Baco” - Projeto: ”Olhando de Perto” de Luciana Mauren
Local: Auditório do Museu
20/05/2010 20h30 às 22h
Quinta Cultural - SARAU com diversas manifestações artísticas
Local: Auditório do Museu
20/06/2010 20h às 22h
Exposição de Fotografias de Roosevelt Vilela - fotografias inéditas realizadas em 1995, no período da escavação do “Homem da Serra do Cafezal“.
20/05/2010 18h30 às 19h30
Inauguração do Museu
Reestruturação do espaço físico do Museu
20/05/2010 19h30 às 20h30
Palestra - “Integração da Comunidade em Projeto Museológico” com a museóloga do IBRAM e Diretora do Museu das Bandeiras - Girlene Chagas
Bulhões
Local: Auditório do Museu
21/05/2010 21h às 22h
Manifestações Artísticas
Local: Auditório do Museu
21/05/2010 19h30 às 21h
Palestra “Harmonia Social através da experiência da Fundação Casa Grande - Homem do Cariri” - Goiás
Local: Auditório do Museu
21/05/2010 09h às 11h
Visita monitorada ao Museu.
23/05/2010 07h às 14h
Expedição Carro de Boi em uma fazenda histórica do Município de Serranópolis – Integração Social da Comunidade.
Local: Fazenda Histórica

CIDADE DE URUAÇU

MEMORIAL SERRA DA MESA
Avenida Generosa F de Carvalho, S/N - Loteamento Lago Sereno - Margens do Lago de Serra da Mesa
memorialserradamesa@gmail.com Tel:(62) 8104-5945 (84) 3349-23
17/05/2010 de 08h às 12h
Palestra - Dr. Rodrigo Gabriel sobre a importância do museu na região de Serra da Mesa
17/05/2010 de 14h às 17h
Exposição Fotográfica - “Terra Avá Canoeiro”
18/05/2010 de 14h às 17h
Exposição - Artesanato da Região de Serra da Mesa (9 artesãos)
19/05/2010 - 08h às 10h
Visitas Monitoradas - Passeio filosófico com padre filosófo Agamenilton
19/05/2010 - 10h às 12h
Mostra de vídeo - Folclore de Serra da Mesa
19/05/2010 - 14h a 17h
Exposição Indígena Timbira
20/05/2010 - 08h às 12h
Oficinas - Monitoria, estudo de público com o prof. Altair Sales Barbosa
20/05/2010 - 14h às 18h
Mostra de Animais Taxidermados
Oficina demonstrativa da taxidermia
21/05/2010 - 08h às 12h
Exposição - Trabalhos de História das escolas municipais de Funil, Água Branca e Matão
21/05/2010 - 14h às 18h
Exposição e lançamento de livros de autores da região de Serra da Mesa Músicas típicas da região

segunda-feira, maio 03, 2010

MAG, ENFIM PRONTO?

Carta encaminhada ao jornal O POPULAR .

Goiânia, 29 de abril de 2010.

Prezado Editor,

Sirvo-me da presente para parabenizar o jornalista Rodrigo Alves pela excelente matéria “Enfim, prontos” no qual relata a situação do Centro Livre de Artes e do Museu de Artes de Goiânia. A matéria muito bem elaborada, ouviu e viu vários lados e conduziu o texto de modo claro e objetivo, constatando que o poder público omisso é passível de ser responsabilizado,e punido. E na medida do possível, considerando a citação do meu nome na matéria, a publicação dessa carta.

Uma frase atribuída ao atual gestor da SECULT , “...partidas de pessoas mal-intencionadas” ao se referir as pessoas que criticaram e denunciaram a displicência no processo de reforma do prédio do CLA e MAG, impressiona e torna fácil compreender o terror moral dos servidores, da escola e do museu, em falar sobre o assunto.

Para compreender o caráter do atual gestor da SECULT e especialmente a forma como pensa cultura e política, e as relações estabelecidas com o patrimônio cultural goianiense, é preciso voltar no tempo. Nos idos de 1993, no Ministério Público Estadual um jovem promotor chamado Sulivan Silvestre, falecido em 99, se destacava pelas ações em defesa do meio ambiente e pela primeira vez na história de Goiás, também se envolveu com as causas do patrimônio cultural. Sulivan Silvestre recebeu a denúncia de que o painel “O sonho de Dom Bosco “ de autoria do artista plástico D.J. Oliveira seria destruído. E foi destruído, mesmo notificado, da noite para o dia, o então secretário de Cultura de Goiânia, Kleber Adorno, patrocinou, arrumando máquinas e homens da prefeitura, a total destruição do painel. A desculpa na ocasião era a vontade do artista, ainda vivo, e que posteriormente substituiu uma obra prima por um arremedo, em azulejo. Soube do caso por que o Dr. Sulivan Silvestre solicitou-me um parecer técnico sobre as condições da obra, parecer esse que foi totalmente inútil, visto que não havia mais obra alguma a ser estudada, já havia virado pó.

Alguns anos após outro episódio demonstrou outra faceta do caráter do mesmo cidadão. A memorável disputa entre Marconi Perillo e Iris Rezende. Kleber Adorno era o coordenador de campanha do jovem de camisa azul, que ninguém sabia quem era, mas que impressionava por onde passava, mas aparentemente, e de acordo com a mídia local, sem chances de ganhar. Ora, o grande sonho de consumo de Kleber Adorno era voltar a ser secretário de cultura, cargo que ocupou no governo Santillo. Aparentemente, avaliando a impossibilidade do jovem de camisa azul ascender ao “trono” goiano, às vésperas, duas semanas antes do último embate nas urnas, Kleber Adorno pulou para o lado de Iris, a derrota foi histórica e pecha de traidor ficou.

Ao assumir o governo em 2005, Iris ,em retribuição, resgata Kleber Adorno da vida acadêmica em uma universidade privada, dizem, não sei se é verdade, que uma indicação de PX Silveira, que veio depois se tornar inimigo mortal, com direito a ameaças de tiro na cara e tudo mais.
O primeiro grande feito de Kleber Adorno a frente da SECULT foi transformar o MAG em ganha- pão de cargo comissionado. E isso chegou ao ponto do MAG ter diretores, no plural, aquele que estava na Lei, nomeado, e aquele que se passava por ser o que nunca foi. Os fatos e as provas foram levados ao MP. E o Ministério Público em dezembro de 2005 entrou com uma ação Civil Pública e de Improbidade Administrativa (Nº 2005.03550781) contra os três envolvidos. E para fazer calar as pessoas “mal intencionadas” assediou e mandou assediar, moralmente, perseguiu, ameaçou e desqualificou. Não calou.

O segundo foi fraudar o processo eleitoral da 3ª Conferência Municipal de Cultura, a reação da sociedade foi recorrer à justiça através de um mandado de segurança. Março de 2010, quatro anos depois da sentença, favorável a sociedade, anulando a 3ª Conferência, a SECULT não cumpriu o determinado em sentença judicial. E nisto há um fato curioso, hoje, o juiz (aposentado) Eduardo Siade, que julgou favorável a sociedade é o também o Procurador do Município. Irá o Dr. Eduardo Siade mandar cumprir a sentença propalada?

O terceiro grande feito, neste mesmo ano, foi o plágio de tese de doutorado. Inscrito no doutorado na UFG, no momento da defesa de sua tese apresentou material retirado da internet e de trabalhos de outros autores, na ocasião, como defesa, que culpou quem digitou, pela incapacidade de citar as fontes.

Na sequência modificou a Lei do FAC retirando a possibilidade de participação da sociedade e tomando para si o poder de decidir quais e quem seria beneficiado pelos recursos oriundo do Fundo de Apoio a Cultura. Novos protestos e denúncias, onde quem criticava era qualificado de moleque, de mal intencionado e outros adjetivos.

Essa é uma pequena mostra do caráter e da personalidade do homem, que qualifica quaisquer criticas à sua gestão na SECULT, como coisa que pessoas mal-intencionadas, pessoas essas que nem vivendo duas vidas conseguiriam construir um currículo tão invejável no âmbito do descaso com a coisa pública. O que quero evidenciar é que tal postura nada mais é que o velho e ultrapassado coronelismo do cerrado, que nega aos cidadãos e cidadãs o direito de existir, de respirar, se o seu senhor não permitir. Como os tempos são outros, não dá mais para contratar capangas no Café Central, a forma de matar é desqualificar a voz do outro, dizendo que é coisa de moleques, arroubos, e más intenções. Coronelismo esse que algema moralmente, que faz com que os que se submetem tenham vergonha de si mesmo, que esmolem aquilo que é direito.

O Museu de Arte de Goiânia é um direito e espera-se, constatados os danos, e não apenas no acervo de arte, mas ao patrimônio público, como é relatado na reportagem que o Ministério Público aja com rigor e entre com a ação de reparação por danos morais à coletividade, e acrescentaria ainda, aos direitos difusos!

Goiânia precisa de políticas públicas para cultura, de verdade, de transparência na gestão da SECULT e principalmente, qualificação desses agentes públicos.

Atenciosamente,

Deolinda Conceição Taveira Moreira
Conservadora Restauradora de Bens Culturais

Abaixo a redação modificada pelo jornal O POPULAR e publicada no dia 03/05/2010, na coluna Cartas do Leitor:

Cultura e política

Sirvo-me da presente para parabenizar o jornalista Rodrigo Alves pela excelente matéria Enfim, prontos no qual relata a situação do Centro Livre de Artes e do Museu de Artes de Goiânia.
A matéria foi muito bem elaborada, o repórter ouviu e viu vários lados e conduziu o texto de modo claro e objetivo, constatando que o poder público omisso é passível de ser responsabilizado, e punido. Considerando a citação do meu nome na matéria, assino esta carta.

Uma frase atribuída ao atual gestor da Secult, “...partidas de pessoas mal-intencionadas” ao se referir às pessoas que criticaram e denunciaram a displicência no processo de reforma do prédio do CLA e MAG, impressiona e torna fácil compreender o terror moral dos servidores, da escola e do museu, em falar sobre o assunto. Para compreender o caráter do atual gestor da Secult e especialmente a forma como pensa a cultura e a política, e as relações estabelecidas com o patrimônio cultural goianiense, é preciso voltar no tempo.

Nos idos de 1993, no Ministério Público Estadual, um jovem promotor chamado Sulivan Silvestre, morto em 1999, se destacava pelas ações em defesa do meio ambiente e, pela primeira vez na história de Goiás, também se envolveu com as causas do patrimônio cultural.

Sulivan Silvestre recebeu a denúncia de que o painel O Sonho de Dom Bosco, de autoria do artista plástico D.J. Oliveira, seria destruído. E foi destruído, mesmo notificado: da noite para o dia o então secretário de Cultura de Goiânia, Kleber Adorno, patrocinou, arrumando máquinas e homens da prefeitura, a total destruição do painel.

A desculpa na ocasião era a vontade do artista, ainda vivo, e que posteriormente substituiu uma obra-prima por um arremedo, em azulejo. Soube do caso porque Sulivan Silvestre solicitou-me um parecer técnico sobre as condições da obra, parecer esse que foi totalmente inútil, visto que não havia mais obra alguma a ser estudada, já havia virado pó.

DEOLINDA TAVEIRA MOREIRA
Vila Nova – Goiânia

domingo, maio 02, 2010

MUSEU DE ARTE DE GOIÂNIA, ENFIM PRONTO?




ENFIM, PRONTOS

Após criticada reforma que durou sete meses e chegou a causar danos, Museu de Arte de Goiânia e Centro Livre de Artes serão reinaugurados

por Rodrigo Alves para o jornal O POPULAR, caderno MAGAZINE.Goiânia,29 de abril de 2010.

Inicialmente, eram necessários 60 dias, com possibilidade de prorrogação para até 120. Mas ao todo foram mais de 200 dias de espera, cerca de 7 meses, para que ficasse pronta a reforma do prédio que abriga no Bosque dos Buritis o Museu de Arte de Goiânia (MAG) e o Centro Livre de Artes (CLA), mantidos pela Prefeitura. O CLA será reaberto amanhã e o MAG será entregue no dia 7. Ambos voltam a funcionar após uma conturbada reforma que abrangeu reparos no telhado e na fiação elétrica, chegou a causar danos ao mobiliário por causa da chuva e custou R$ 270 mil, segundo a Secretaria Municipal de Cultura (Secult).

Requisitada há quase dois anos pelas diretorias dos espaços, a reforma demorou para sair do papel. Ambos precisaram esperar cerca de um ano desde que foi feito o primeiro pedido. A obra começou em setembro do ano passado, seguida de uma série de incidentes que atrasaram o andamento e pôs em risco a parte do acervo do museu que não pôde ser removida, além de mobiliário e equipamentos.

Como as chuvas vieram mais cedo em 2009, a reforma teve de ser paralisada, quando o telhado já havia sido retirado. O resultado foi o alagamento da parte interna do prédio, que estragou alguns móveis, e causou preocupação em artistas e entidades culturais em relação à parte do acervo do museu que permaneceu no local, como esculturas, pela falta de condições de mobilidade – cerca de 30%, de acordo com a direção do MAG. Sem telhado, móveis e obras ficaram expostos à umidade, sem proteção adequada.

Um agravante atrasou ainda mais a obra. A fiação do prédio, que já necessitava de troca, foi atingida pela chuva. A licitação teve de ser refeita para incluí-la, demandando mais tempo. “Quando o telhado foi retirado e choveu, a rede elétrica queimou. Aí foi preciso fazer outra licitação”, diz Mairone Barbosa, atual diretora do MAG. Segundo a diretora do CLA, Debora Marra, a fiação não havia sido incluída para não deixar a obra mais cara. “Em serviço público, para conseguir as coisas, às vezes temos de ir por partes”, justifica.

Prejuízos
Tanto o MAG quanto o CLA sofreram prejuízos. Fontes ouvidas pela reportagem disseram que até mesmo equipamentos de informática teriam sido danificados. A maior adversidade, contudo, se deu com os 30% do acervo técnico do museu que ficaram expostos à água, embalados somente em material plástico, conforme constatou uma vistoria do Ministério Público (MP). A situação suscitou protestos de artistas e pessoas ligadas ao museu, como a restauradora Deolinda Taveira, ex-diretora do local, que chegou a apresentar denúncia ao MP.


Comentário:“Os objetos de arte são em sua maioria compostos de diversos materiais, alguns mais sensíveis a determinados fatores de degradação, outros menos, mas todos são absurdamente sensíveis a ação nefasta do homem, é o caso do acervo do MAG. Em sua maioria são muito sensíveis a luz, a umidade e as mudanças bruscas de temperatura. A luz provoca a destruição das fibras dos papéis, o esmaecimento das cores e amarelecimento, dentre outros, a umidade é fonte de proliferação de fungos e bactérias em todos os objetos de arte, do apodrecimento das madeiras, da ferrugem nos metais e etc. E as mudanças bruscas de temperatura conduzem ao processo de contração e dilatação dos materiais que levam a danos irreversíveis.
Os 30 % do acervo(será que é isso mesmo?) deixados na reserva técnica, inundada durante meses, sem qualquer contenção ou cuidado com as obras, CERTAMENTE estão contaminados por agentes microbiológicos, popularmente conhecidos como FUNGOS, que proliferaram felizes no grande caldo que se tornou a sala.
A imagem mostrada na reportagem é clara na total ausência discernimento e de cuidados com o objeto e com o ser humano que está lá, desprotegido, usando apenas uma máscara.
Outra imagem impressionante foi a cobertura por telhas da pirâmide no centro do pátio, mas uma vez, reafirmando a ignorância e a falta de atenção para com as pessoas, usuários e servidores, que sufocam, por total ausência de ventilação no local. E o maior disparate, o MAG está situado no meio de um BOSQUE!”

“Durante o período de chuvas, o MAG passou destelhado e sem qualquer medida de contenção de danos”, anotou ela. A promotora substituta Gerusa Fávero Girardelli, da 7ª Promotoria de Justiça, responsável pelo patrimônio histórico, cultural, urbanístico e meio ambiente, explicou ao POPULAR que uma equipe de fiscalização foi mandada ao local para averiguações. “Os fiscais da promotoria constataram que algumas obras estavam no local, cobertas por um plástico”, relata.

O passo seguinte da promotoria foi enviar um ofício à Secult questionando onde estava o restante do acervo e sob quais condições estava acondicionado. “Não chegamos a receber nenhuma resposta formal”, afirma a promotora. Por telefone, um dos assessores da promotoria chegou a ser informado pela Secult que os 70% do acervo removido haviam sido levados para o nono andar do Pathernon Center, no Centro de Goiânia, no espaço pertencente à Orquestra Sinfônica Municipal.

“Agora vamos comparecer ao museu para que mostrem todo o acervo e sob quais condições foi mantido”, assegura a promotora. Se forem constatadas irregularidades, explica ela, a secretaria poderá ser alvo de ação civil de reparação de dano morais à coletividade. O POPULAR falou sobre o assunto com a diretora do MAG, Mairone Barbosa, e com o secretário de Cultura, Kleber Adorno. De acordo com a diretora, tanto as obras removidas quanto as que permaneceram no local não sofreram danos, embora ela admita que as condições de condicionamento não tenham sido ideais. “Elas vão precisar somente da limpeza habitual”, diz .

Kleber Adorno afirmou que tudo foi para preservar a integridade do acervo. “O acervo foi acomodado no espaço do Pathernon Center, sem nenhum prejuízo”, diz ele, que ainda se referiu às críticas e denúncias de displicência no processo desta reforma como “partidas de pessoas mal-intencionadas”. “Mandei verificar tudo e percebi que as denúncias não tinham fundamento.” O POPULAR visitou o MAG nesta semana, quando os retoques finais da reforma estavam sendo realizados. Algumas das obras que ficaram no local estavam embaladas, abrigadas em plásticos-bolha ou lonas pretas, esperando para serem recolocadas nas estantes da sala da reserva técnica. Embora aparentemente intactas, elas realmente não estavam acondicionadas nas condições ideias.
Comentário: "As pessoas mal-intencionadas aguardam a publicação do direito de resposta, mas antecipo algo que o velho coronel da cultura não se dá conta, o Museu de Arte de Goiânia é um direito e espera-se, constatados os danos, e não apenas no acervo de arte, mas ao patrimônio público, como é relatado na reportagem que o Ministério Público aja com rigor e entre com a ação de reparação por danos morais à coletividade, e acrescentaria ainda, aos direitos difusos!"

Volta às aulas no CLA

Após sete meses de reforma, o Centro Livre de Artes (CLA) volta às aulas na segunda-feira, dia 3, ainda com vagas disponíveis nos cursos desenho e pintura (infantil), desenho de moda (acima de 15 anos) e desenho de observação e história da arte (adultos). Amanhã, a partir das 8h30, uma cerimônia com apresentações artísticas de alunos e professores marcará a volta das atividades do local, com a presença da Banda Municipal de Goiânia, do prefeito Paulo Garcia e do secretário municipal de Cultura, Kleber Adorno.

O CLA volta ao pleno funcionamento na estrutura reformada que conta cerca de 20 salas, que recebem aulas de cem professores nos três períodos do dia. “Fizemos uma reestruturação do calendário para não prejudicar os cursos”, informa a diretora do CLA, Debora Marra. Segundo ela, cursos de artes, que são semestrais, serão iniciados agora e prolongados até o final do ano. Já o restante dos cursos, de duração anual, receberão adaptações para chegar até o fim sem prejuízo de conteúdo. “Como o atraso foi proporcionalmente menor, conseguiremos fazer isso”, ressalta a diretora.
Ao todo, cerca de 1,8 mil alunos voltarão às atividades (mais informações sobre vagas pelo telefone 3524-1194). Mesmo com a reforma, eles ainda enfrentarão problemas que já eram recorrentes, além de alguns causados pela reforma conturbada. Um deles é com relação à falta de móveis, já que muitos fora danificados pelas chuvas e não puderam ser recuperados. Outro é a carência de instrumentos musicais, que antes já faltavam e ficaram em número mais reduzido com a danificação de alguns equipamentos pelo alagamento em decorrência das chuvas.

Demora histórica

Inaugurado em 1970, o prédio do Museu de Arte de Goiânia (MAG), que há sete anos passou também a dividir espaço com o Centro Livre de Artes, foi concebido inicialmente para ser um hospital. Seu atual acervo de mais de 800 obras incluem artistas renomados como Siron Franco, Antônio Poteiro e Divino Sobral, em modalidades que incluem pintura, desenho, fotografia, gravuras, escultura, objetos, entre outros.

Por mais quase quatro décadas, a estrutura nunca passou por uma reforma estrutural drástica. No início da década de 2000, o prédio chegou a ser reformado pela Prefeitura, mas apenas recebeu novas divisões e pintura. As mudanças, no entanto, não resolveram a antiga necessidade prioritária da troca do telhado e da fiação elétrica. O teto, segundo fontes consultados pelo POPULAR, já apresentava infiltrações e goteiras há mais de 20 anos e não foram raras as vezes que funcionários tiveram de acudir às pressas para que o acervo do MAG e o material da CLA não fossem atingidos pelas goteiras.

O que era uma preocupação cotidiana tornou-se pesadelo quando, enfim, saiu a licitação para a obra, no ano passado. Autorizada ainda no início de 2009, a reforma recebeu o sinal verde para o início em setembro. O telhado seria retirado para receber nova cobertura. “Estávamos há tanto tempo esperando pela reforma, que decidimos começar imediatamente”, lembra a diretora do Centro Livre de Artes, Debora Marra. Junto com o ex-diretor do museu Antônio da Mata, Debora foi uma das principais articuladoras da obra.

Mesmo afastado da direção do museu desde maio do ano passado após o fim de seu contrato, Da Mata continuou a acompanhar o processo. Ele admite que a pressa aliada às chuvas fora de época acabaram colocando o MAG e o CLA em situação ainda pior. Adicionado à falta de celeridade na resolução, o problema, segundo ele, acabou ganhando dimensão maior. “O que aconteceu lá é o que acontece no Brasil todo: tudo que é relacionado à cultura sempre demora muito mais para ser resolvido”, opina.